Abbas fará consulta antes de decidir se mantém diálogo de paz com Israel

Presidente da ANP diz que não definirá permanência nas negociações antes de outubro

Agência Estado

27 de setembro de 2010 | 09h23

PARIS - O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, irá consultar os governos árabes antes de decidir se continua com o diálogo direto com Israel, depois de o país encerrar uma moratória para as construções em assentamentos israelenses. A informação foi divulgada por um porta-voz de Abbas nesta segunda-feira, 27.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo Idas e vindas das negociações

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

 

"Antes de 4 de outubro, não haverá uma resposta oficial palestina", disse o porta-voz Nabil Abu Rudeina, em Paris, onde Abbas está para se encontrar com o presidente da França, Nicolas Sarkozy.

 

Abbas havia advertido anteriormente que os negociadores palestinos não iriam dialogar caso Israel permitisse que os assentados retomassem as obras na Cisjordânia. Os palestinos querem essas áreas como parte de seu futuro Estado independente.

 

A moratória israelense para essas construções acabou no domingo. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu aos assentados que mostrem "moderação", mas Israel não ordenou uma nova moratória.

 

O porta-voz disse que nenhuma decisão deve sair antes de 4 de outubro, data de um encontro entre lideranças árabes. Um comitê integrado por líderes árabes e a liderança palestina se reunirá neste dia no Cairo para discutir o tema.

 

Leia mais:

linkColonos retomam construções na Cisjordânia

linkNetanyahu pede que palestinos continuem negociando

 

"Nós estamos prontos para negociações sérias, mas a atividade nos assentamentos deve parar imediatamente", disse o porta-voz. "Essa é a única forma de seguir com conversas produtivas."

 

Retomada

 

Nesta segunda, as construções em diversos assentamentos na Cisjordânia foram retomadas. A moratória havia sido anunciada por Israel há dez meses e incluia todo o território palestino, com exceção de Jerusalém Oriental, área que os palestinos reclamam como capital de seu futuro Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.