Abbas insiste na libertação de prisioneiros palestinos

Durante a reunião de quatro horas com a conselheira deSegurança Nacional da Casa Branca, Condoleezza Rice, oprimeiro-ministro palestino, Mahamud Abbas, insistiu hoje, em Jericó, em quesejam libertados os prisioneiros políticos palestinos detidospor Israel, uma retirada total do exército israelense dosterritórios palestinos e o congelamento dos assentamentos judeusna região."O encontro foi muito positivo", disse o ministro do gabinete palestino Yassser Abed Rabbo, para quem os funcionários americanos teriam "entendido" as demandas dos palestinos. Amanhã, domingo, Rice deverá reunir-se com oprimeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, como parte de sua missão para implementar o chamado "roteiro" de paz - o plano de pazpatrocinado pelos Estados Unidos, Nações Unidas, União Européiae Rússia.A reunião coincidiu com a adesão da Jihad Islâmica à trégua de três meses em sua luta contra a ocupação israelense. O anúncio da trégua foi feito em Gaza pelo líder do grupo extremista, Mohamed al-Hindi. "Aceitamos o cessar-fogo condicional de três meses", confirmou Al-Hindi em entrevista à Associated Press, referindo-se à decisão adotada no dia anterior pelo xeque Ahmed Yassin, fundador e guia espiritual do Hamas, principal movimentode oposição radical a Israel.Horas mais tarde, porém, o líder da Jihad Ramadan, Abdullah Shallah, baseado na Síria, disse que seu grupo não se desarmará sob a trégua, e destacou que para assegurar o acordo Israel deve parar os ataques seletivos sobre militantes da sua e de outras organizações extremistas palestinas. A adesão de outra organização guerrilheira, Brigada dosMártires Al-Aqsa (braço armado do movimento Fatah, do líderYasser Arafat), deve ocorrer amanhã no Cairo, com o anúncioconjunto da suspensão das hostilidades pelos três gruposextremistas palestinos. Alguns militantes desses grupos disseram, porém, que tal anúncio poderá ser adiado por um dia.Bombas - Duas bombas explodiram em Gazadanificando pelo menos um dos automóveis de um comboiodiplomático dos EUA, informou um porta-voz da embaixadaamericana em Jerusalém, ressaltando que ninguém ficou ferido.Segundo fontes militares israelenses, o incidente não deveráinfluir na decisão de Israel de iniciar a retirada de suasforças da região norte da Faixa de Gaza já a partir de amanhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.