Abbas, novo líder da OLP, é contraponto discreto de Arafat

O novo presidente da Organização para a Libertação da palestina, Mahmoud Abbas, não poderia ser mais diferente do que o homem que terá de substituir: ao contrário de Yasser Arafat, ele gosta de trabalhar nos bastidores, não gosta de publicidade, ouve assessores e deplora a violência. É um homem calmo que usa terno e permaneceu por 40 anos ao lado de Arafat, o vistoso revolucionário de farda.A votação unânime que Abbas recebeu na executiva da OLP o coloca como favorito para ser eleito presidente do governo palestino, quando o pleito for realizado depois de uma transição de 60 dias. Em 2003, quando Arafat foi compelido, sob pressão internacional, a criar o cargo de primeiro-ministro, Abbas foi a primeira nomeação. Apesar de anos de colaboração, os dois homens se digladiaram sobre divisão de poderes, e Abbas entregou o cargo quatro meses depois. Abbas mantinha contatos com israelenses bem antes de isso tornar-se aceitável para os palestinos. Nos bastidores, dirigiu as negociações secretas na Noruega que levaram aos acordos de Oslo de 1993. Alguns palestinos não confiam em Abbas e o consideram ingênuo demais no trato com os israelenses. Ele foi o primeiro funcionário do alto escalão do governo palestino a criticar o levante contra Israel, iniciado há mais de quatro anos, dizendo que a violência seria contraproducente para a independência da Palestina.  Especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.