Abbas ordena retirada de força de segurança leal ao Hamas

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, ordenou nesta quinta-feira ao Ministério do Interior que retire imediatamente das ruas de Gaza os 3.000 homens da nova força de segurança leal ao grupo islâmico Hamas, o que até agora não aconteceu.Vestidos com uniformes verde-oliva e armados, os membros da nova guarda, chamada "Força de Assistência", foram vistos nesta quinta-feira em esquinas e mercados no centro de Gaza. Na mesma cidade, forças ligadas à Fatah e leais ao presidente palestino fizeram demonstrações e encararam os soldados do novo grupo armado.Funcionários do gabinete de Abbas informaram, no entanto, que não haveria ordem para um enfrentamento - a ação, resumiram eles, poderia deflagrar uma guerra civil nos territórios palestinos.A nova força - formada em sua maioria por milicianos do braço armado do Hamas, as "Brigadas de Izz al-Din al-Qassam", e dos Comitês Populares da Resistência - foi criada pelo ministro do Interior, xeque Said Siyam, com o objetivo de apoiar a polícia, formada basicamente por membros da Fatah.Ignorando o pedido de Abbas para que o Hamas retirasse as novas forças de segurança das ruas, o primeiro-ministro da ANP, Ismail Haniye, afirmou nesta quinta que o grupo foi criado legalmente através de um "acordo direto alcançado com o presidente Abbas".Haniye disse isso diante de centenas de membros da nova força de segurança que se concentraram em frente à residência do primeiro-ministro, em Gaza, em uma demonstração de apoio ao governo do Hamas.O chefe de negociações da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat, disse que se trata de uma situação realmente preocupante, e espera que a nova força deixe as ruas para evitar uma crise. Pouco depois de a nova força ser colocada nas ruas da Faixa de Gaza, na quarta-feira, o tráfego foi interrompido em diferentes trechos, e vários comerciantes fecharam suas lojas temendo que acontecessem novos confrontos entre membros do Hamas e da Fatah.Os membros da nova força de segurança do governo do Hamas ignoram as críticas, sorriem para as pessoas que os observam com curiosidade, apertam as mãos de alguns simpatizantes do grupo islâmico e fazem piadas quando ouvem provocações de seus adversários.A decisão do ministro Siyam de colocar a nova força na faixa mediterrânea aconteceu depois que dois militantes do Hamas foram mortos a tiros por milicianos desconhecidos, e de conflitos armados entre membros do grupo islâmico e da Fatah nos últimos dias.ProvocaçõesMilhares de policiais da ANP leais ao presidente Abbas patrulhavam a cidade e outros pontos da Faixa de Gaza nesta quinta-feira, em resposta à criação do novo órgão.Em uma demonstração de força diante dos oficiais de segurança do Hamas, os policiais da ANP gritavam: "nós somos a autoridade e cumprimentamos o presidente Abbas".O aparelho de segurança da ANP conta com 70.000 efetivos, dos quais cerca de 25.000, oito vezes mais que os milicianos do Hamas, servem na Faixa de Gaza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.