Abbas pede a Obama que pressione Israel por proposta de Estado

Presidente da Autoridade Palestina também quer ajuda do Quarteto para o Oriente Médio

Agência Estado

20 de maio de 2011 | 17h10

RAMALLAH - O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, pediu ao presidente dos EUA, Barack Obama, que pressione o primeiro-ministro de Israel a aceitar o Estado palestino tendo como base as fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias, em 1967.

 

Veja também:

blog Chacra: Obama define sua paz para Israel e palestinos

lista Leia: A íntegra do discurso de Barack Obama

especialInfográfico: Os principais pontos da fala de Obama

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

"Nós pedimos ao presidente Obama e ao Quarteto (Rússia, Estados Unidos, União Europeia e Nações Unidas) que pressionem Netanyahu a aceitar as fronteiras de 1967", disse o porta-voz de Abbas, Nabil Abu Rudeina. "A posição de Netanyahu é uma rejeição oficial da iniciativa de Obama de legitimidade internacional e legislação internacional", declarou ele.

 

O apelo de Abbas é feito no mesmo dia em que Obama se encontrou com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na Casa Branca. Na reunião, Netanyahu voltou a rejeitar o retorno às fronteiras anteriores a 1967, conforme Obama havia proposto em seu discurso na quinta-feira.

 

"Ainda que Israel esteja disposto a fazer generosos compromissos de paz, não está disposto a voltar às fronteiras de 1967 porque essas linhas são indefensáveis. Essas fronteiras não levam em conta certas mudanças demográficas que ocorreram nos últimos 44 anos", argumentou.

 

Também nesta sexta, porém, o Quarteto para o Oriente Médio mostrou-se de acordo com a visão de Obama para a criação do Estado palestino, que coloca a questão das fronteiras como o centro para o processo de paz entre israelenses em palestinos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ObamaNetanyahuEUAIsraelpalestinospaz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.