Abbas pede que Nações Unidas emitam 'certidão de nascimento' da Palestina

Discurso do presidente da Autoridade Palestina foi feito durante votação da Assembleia-Geral da ONU

estadão.com.br,

29 de novembro de 2012 | 18h27

(Texto atualizado às 19h42) NOVA YORK - O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, pediu à Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) para reconhecer o Estado palestino ao apoiar a resolução para promover o status de "entidade observadora" para "Estado não-membro observador". A votação deve ser favorável ao pedido de Abbas, afinal cerca de 150 países são a favor do novo status, entre eles Brasil, Rússia, China, Índia, África do Sul e os europeus França, Espanha, Suíça e Dinamarca.

"Convoco a Assembleia-Geral hoje a emitir uma certidão de nascimento da realidade do Estado da Palestina", disse Abbas à assembleia de 193 nações, de acordo com o texto de sua declaração. Ao fim de seu discurso, o presidente da Autoridade Palestina afirmou: "É tempo de agir e de seguir em frente, é por isso que estamos aqui hoje...o mundo precisa dizer a Israel: chega de agressões, assentamentos e ocupações."

Israel e os EUA são contra o reconhecimento. Israel afirma que o reconhecimento de um Estado só pode ser resultado de um processo de negociação entre os dois lados, mesma posição do país norte-americano. A porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Victoria Nuland, declarou que Washington não é contra os palestinos, mas que "a criação da Palestina deve ser feita por meio de negociações, não na Assembleia-Geral."

A Grã-Bretanha, que vinha com uma posição próxima a da americana, não descartava a possibilidade de votar a favor. A Alemanha e a República Checa também indicavam que poderiam votar contra. A maioria dos outros países europeus, como a Itália, optará pela abstenção.

Abbas, tentou em 2011 obter a condição de membro pleno das Nações Unidas, mas, precisaria também da aprovação do Conselho de Segurança - no qual Obama afirmou que usaria o poder de veto americano, inviabilizando a iniciativa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.