KHALED ELFIQI/EFE
KHALED ELFIQI/EFE

Abbas promete 'não recuar' em questão do Estado palestino na ONU

Líder da Autoridade Palestina diz que buscar reconhecimento na Assembleia Geral é 'algo inevitável'

Reuters

14 Setembro 2011 | 21h10

RAMALLAH - O presidente da Autoridade Nacional Palestina (AP), Mahmoud Abbas, afirmou que "não recuará" dos planos de buscar o reconhecimento do Estado palestino na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) neste mês, mesmo com os esforços diplomáticos dos Estados Unidos e da União Europeia para convencê-lo do contrário.

 

Veja também:

especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

 

"Ir às Nações Unidas e solicitar que os palestinos sejam um membro da entidade é algo inevitável e não vamos recuar. Apesar das pressões exercidas sobre nós, a Palestina irá à ONU no dia 23 deste mês buscando reconhecimento", disse o líder palestino a uma emissora egípcia, segundo a agência WAFA.

 

O governo dos Estados Unidos, aliado de Israel, se opõe abertamente às busca dos palestinos, argumentando que o reconhecimento unilateral da independência palestina prejudicaria seriamente as conversas de paz na região. As autoridades americanas chegaram a ameaçar com o corte de ajuda financeira caso os palestinos não desistam do reconhecimento de seu Estado.

 

O argumento dos palestinos é de que as negociações de paz, respaldadas pelos americanos, estão paralisadas, o que deixa apenas a opção de buscar o reconhecimento como Estado na ONU. A futura nação englobaria a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental, territórios ocupados pelos israelenses desde a Guerra dos Seis Dias, de 1967.

 

O enviado dos Estados Unidos para o Oriente Médio, David Hale, e o conselheiro Dennis Ross devem se encontrar com Abbas na quinta. Já a chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, prolongou sua visita ao Oriente Médio para tratar do assunto.

 

O governo de Israel se opõe fortemente às demandas palestinas, que vê como um modo de acabar com a legitimidade do Estado judeu. Washington acredita que a decisão não se encaixa à política ideal para o Oriente Médio e disse que pode usar seu poder de veto como membro permanente do Conselho de Segurança para vetar a entrada dos palestinos na ONU.

 

Os israelenses, prevendo o apoio que os palestinos terão na ONU, lançaram nesta quarta um vídeo em resposta à campanha de Abbas. Nas imagens, o ex-chanceler Danny Ayalon afirma que os palestinos sempre disseram "não" aos israelenses, e que isso não mudaria agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.