Abbas recebe apoio de Chirac a futuro governo

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, obteve neste sábado o apoio da França à formação de um governo de união nacional e pediu o fim das sanções financeiras durante um encontro com o presidente francês, Jacques Chirac, no Palácio do Eliseu. Abbas reuniu-se com Chirac em Paris, última etapa da viagem que o levou a Londres, Berlim e Bruxelas, em busca de apoio ao Acordo de Meca entre o Fatah e o Hamas sobre a formação de um Governo de uniãonacional da ANP. "Afirmamos aqui nosso compromisso com a solução de dois Estados, com os acordos passados e nossa rejeição ao terrorismo e à violência, para alcançar a paz e a estabilidade, a fim de que osEstados israelense e palestino possam viver juntos", disse Abbas. "Muito feliz" por sua conversa com Chirac, Abbas acrescentou que o presidente francês "entende muito bem o Acordo de Meca, a natureza do governo de união nacional" e a situação política que deve "permitir que os palestinos abram canais políticos com osisraelenses para iniciar as negociações e chegar a soluções definitivas". Segundo o porta-voz do Palácio do Eliseu, Chirac confirmou a Abbas "o apoio da França à idéia de um governo de união nacional", e "considerou que o Acordo de Meca é o primeiro passo" em direção às condições impostas pelo Quarteto de Madri (ONU, União Européia, EUA e Rússia). Chirac disse a Abbas que a França continuará "agindo para que a União Européia (UE) contribua com este processo, tanto no plano político como no da cooperação". Integrado por Estados Unidos, União Européia (UE), Rússia e ONU, o Quarteto exige do Hamas o reconhecimento de Israel, a renúncia à violência e a aceitação dos acordos de paz assinados no passadopelos palestinos com Israel. Abbas disse ter pedido a Chirac que o futuro governo não seja submetido ao mesmo embargo financeiro que o anterior, e afirmou que a continuação das sanções "é inaceitável humana e politicamente". "Esperamos que o embargo seja suspenso", já que, caso contrário,"o povo palestino continuará sofrendo e as sanções continuarão fazendo estragos", disse o dirigente palestino. Chirac, que lembrou a cúpula da UE que será realizada no começo do mês que vem, expressou a esperança de que "o novo governo palestino de união nacional, formado com base no Acordo de Meca, possa abrir o caminho para novas relações de cooperação", segundo o porta-voz do Palácio do Eliseu. A UE, que interrompeu sua ajuda ao Executivo palestino após a chegada do Hamas ao poder há quase um ano, afirmou que esperará para conhecer a composição e o programa do futuro governo. Na sexta-feira, 23, em Berlim, a primeira-ministra alemã e presidente de turno da UE, Angela Merkel, reiterou a Abbas a necessidade do cumprimento dastrês condições fixadas pelo Quarteto. Ao receber Abbas no Palácio do Eliseu, Chirac afirmou que "os diferentes atores devem" fazer com que o Acordo de Meca seja "confirmado na realidade e nos fatos". O presidente francês destacou, em particular, o reconhecimento dos acordos de paz assinados no passado pelos palestinos com Israel. O presidente francês aproveitou para destacar a importância que aFrança dá à libertação do soldado israelense Gilad Shalit, capturado por milicianos palestinos próximo à fronteira de Gaza em julho, para "sua família, para Israel, mas também como um gesto para a comunidade internacional", informou o porta-voz do Palácio doEliseu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.