AFP PHOTO / TIMOTHY A. CLARY
AFP PHOTO / TIMOTHY A. CLARY

Abertura de Assembleia será carregada de discursos de peso geopolítico

Depois da abertura do evento pela brasileira Dilma Rousseff, o presidente Barack Obama fará pronunciamento no qual pedirá o engajamento dos líderes mundiais em uma solução política para a crise síria

Cláudia Trevisan, Enviada especial/Nova York, O Estado de S. Paulo

28 Setembro 2015 | 10h11

NOVA YORK - O primeiro dia da 70º Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas será carregado de discursos de peso geopolítico. Depois da abertura do evento pela brasileira Dilma Rousseff, na manhã desta segunda-feira, o presidente Barack Obama fará pronunciamento no qual pedirá o engajamento dos líderes mundiais em uma solução política para a crise síria.

Pouco depois dele, será a vez de Vladimir Putin, um dos principais aliados de Bashar Assad. Será o primeiro discurso do presidente russo na instituição em dez anos. A manhã terá ainda o pronunciamento do líder iraniano, Hassan Rouhani, um dos protagonista do acordo que limita o programa nuclear do país, anunciado há dois meses.

O presidente de Cuba, Raúl Castro, fará sua estreia na ONU no início da tarde. Esta é sua primeira viagem aos Estados Unidos desde 1959. Na terça-feira, Castro e Obama se encontram pela segunda vez desde o anúncio de reatamento de relações diplomáticas entre os dois países, em dezembro.

Durante a semana, a ONU votará a moção que Cuba apresenta todos os anos pedindo a condenação do embargo econômico dos EUA contra o país. Segundo reportagem divulgada pela Associated Press  há uma semana, o governo Obama avalia a possibilidade de se abster na votação, em vez de votar contra a proposta. Seria a primeira vez em que um país deixaria de votar contra uma moção que condena sua própria legislação.

Mais conteúdo sobre:
ONU Assembleia-Geral

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.