Aborto forçado de segundo filho causa indignação na China

Feng Jianmei foi sequestrada e recebeu injeção que induziu trabalho de parto e matou o bebê

Cláudia Trevisan, Enviada Especial a Linyi, província de Shandong,

07 de julho de 2012 | 15h29

LINYI, PROVÍNCIA DE SHANDONG - A foto de um feto de sete meses ensanguentado ao lado da mãe, Feng Jianmei, se espalhou de maneira viral na internet chinesa e provocou uma onda de indignação contra os abusos da política de filho único.

Veja também:

linkSegundo filho é uma opção apenas para quem tem dinheiro na China

linkCrescem as críticas à política de filho único na China

linkChina pune funcionário que forçou aborto de feto de 7 meses

Feng e o marido, Deng Jiyuan, são pais de uma menina de 5 anos e não tinham dinheiro suficiente para pagar a multa de 40 mil yuans (R$ 12,9 mil) por terem um segundo filho.

Em resposta, os responsável pelo controle de natalidade sequestraram Feng em sua casa no início de junho e a mantiveram por três dias em um hospital. Lá, ela recebeu uma injeção que induziu o trabalho de parto e matou seu bebê.

Depois da reação popular, as autoridades locais apresentaram um pedido de desculpas e disseram que a família poderá ter outro filho. Além disso, reconheceram que o aborto forçado era uma "séria violação" da política de planejamento familiar e tinha provocado "influência extremamente negativa na sociedade".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.