Aborto no mar pode dar processo

Os médicos holandeses que pretendem realizar abortos em uma clínica flutuante fora das águas territoriais da República da Irlanda não possuem licença e poderão ser indiciados pela Justiça, informou nesta terça-feira o governo holandês.O navio de bandeira holandesa Aurora zarpou nesta terça da Holanda em direção a Dublin com dois médicos e uma enfermeira a bordo, oferecendo serviços de saúde - incluindo o aborto -, que não são permitidos pelas leis irlandesas.Segundo o ministro da Saúde da Holanda, Els Borst, a Women on Waves Foundation (fundação mulheres nas ondas) solicitou uma licença para realizar abortos, mas a permissão ainda não foi concedida.Falando ao Parlamento, o ministro da Justiça, Benk Korthals, afirmou que, sem uma licença, "a prática do aborto é ilegal segundo as leis holandesas, e os médicos poderão ser processados e presos por até quatro anos e meio".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.