Abramoff é sentenciado a cinco anos de prisão

O outrora todo poderoso lobista americano Jack Abramoff foi condenado nesta quarta-feira a cinco anos e 10 meses de prisão por envolvimento em fraudes relacionadas à compra da rede de cassinos SunCruz. O companheiro de negócios de Abramoff, Adam Kidan, também será preso. Os dois lobistas assumiram ter participado de uma rede de fraudes e se disseram culpados por conspiração, mas não terão que se apresentar à prisão imediatamente. O juiz responsável pelo caso adiou o comparecimento dos réus por 90 dias para que ambos continuem a cooperar com as duas investigações em que estão envolvidos: uma sobre corrupção em Washington e outra, na Florida, a respeito do assassinato do antigo dono dos Cassinos SunCruz, Konstantinos Boulis. Os dois negam participação no segundo caso. Abramoff, no entanto, já admitiu ter participado de negociatas ilegais em Washington, mas ainda não foi sentenciado nesse caso. Nesta quarta-feira, durante seu julgamento, Abramoff disse que o caso das fraudes têm sido "incrivelmente dolorosos" para ele, sua família e seus amigos. "Nos últimos dois anos eu comecei um processo de me tornar um novo homem", falou. Além da pena de 5 anos e dez meses de prisão, ambos os réus terão que pagar uma restituição de mais de US$ 21 milhões. Abramoff e Kindan admitiram ter realizado uma falsa transação no valor de US$ 23 milhões com o objetivo de fingir uma grande contribuição na compra dos Cassinos SunCruz, um negócio de US$ 147,5 milhões. Com base nesta transferência falsa, credores emprestaram à dupla US$ 60 milhões em financiamento. Outros crimes Na mesma semana em que declarou-se culpado na fraude envolvendo os Cassinos SunCruz, Abramoff também assumiu participação em três crimes federais relacionados a um grande escândalo de corrupção que pode envolver mais de 20 membros do Congresso americano e assessores, entre eles o ex-líder da maioria na Câmara dos Representantes, o deputado republicano Tom delay. Somado a expectativa de que colaborem nessa investigação, Abramoff, de 47 anos, e Kindan, de 41, devem dar depoimentos sobre o assassinato de Boulis, em 2001. Três pessoas foram acusadas neste caso, incluindo um homem que trabalhou para Kidan como consultor nos Cassinos SunCruz e que é acusado de ter ligações com a máfia de Nova York. Tanto Abramoff como Kindan têm negado repetidas vezes qualquer envolvimento ou conhecimento sobre o assassinato de Boulis. Os promotores, no entanto, afirmaram que Abramoff pode fornecer informações de bastidores a respeito das disputas com Boulis, que além de ex-dono da rede de cassinos foi o criador da cadeia de restaurantes Miani Subs. Caso cooperem com essas investigações, Abramoff e Kidan podem ter suas sentenças reduzidas. Um dos mais ricos e influentes lobistas de Washington, Jack Abramoff virou uma ameaça ao governo de George W. Bush depois de confessar participação em crimes de fraude, formação de quadrilha e evasão de impostos com o objetivo de corromper deputados e altos funcionários da administração.

Agencia Estado,

29 Março 2006 | 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.