Absolvido em Lockerbie faz retorno triunfal à Líbia

Agitando triunfalmente o punho cerrado, o líbio declarado inocente no atentado de 1988 de Lockerbie retornou nesta quinta-feira para casa e teve uma recepção de herói, com gritos de "Deus é Grande" e até um caloroso abraço de Muammar Kadafi. "A justiça triunfou! Abaixo os Estados Unidos!", gritava a multidão de cerca de 100 familiares e amigos que se reuniram no aeroporto de Maatika, em Trípoli, para receber Lamen Khalifa Fhimah, 44 anos. No discurso de boas-vindas a Fhimah, Kadafi disse que a decisão do tribunal de inocentar Fhimah, mas condenar o segundo suspeito, Abdel Basset Ali al-Megrahi, foi "resultado da pressão do governo norte-americano". Segurando o braço de Fhimah, Kadafi afirmou que irá revelar na segunda-feira evidências de que al-Megrahi, 48 anos, é "tão inocente quanto Fhimah". "Quando eu falar (na segunda-feira), haverá três opções para os juízes: ou se suicidarem, ou renunciarem, ou admitirem a verdade", afirmou um sorridente Kadafi. Um tribunal escocês, instalado na Holanda, sentenciou al-Megrahi à prisão perpétua, com possibilidade de liberdade condicional depois de 20 anos, por ter plantado a bomba que explodiu em um Jumbo da Pan Am sobre a cidade de Lockerbie, Escócia em 21 de dezembro de 1988. Morreram no atentado 270 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.