(Sean Krajacic/The Kenosha News via AP, Pool
(Sean Krajacic/The Kenosha News via AP, Pool

Absolvido, jovem que matou dois em protesto antirracista diz que autodefesa 'não é ilegal'

Kyle Rittenhouse afirma à Fox News que estava aliviado pelo fim de sua 'difícil jornada'

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2021 | 17h01

WASHINGTON - Kyle Rittenhouse, o adolescente americano absolvido depois de ter matado a tiros dois homens durante os protestos contra a violência policial no Estado de Wisconsin no ano passado, defendeu suas ações, afirmando que a autodefesa "não é ilegal".

Em comentários transmitidos pela emissora Fox News, o adolescente, que apareceu sorridente dentro de um carro após o veredicto, disse estar aliviado porque uma "difícil jornada" tinha terminado.

"O júri chegou ao veredicto correto: a autodefesa não é ilegal", disse Rittenhouse à Fox, antes de uma entrevista que será exibida na noite de segunda-feira, 22, e um documentário sobre o adolescente, previsto para ir ao ar em dezembro.

Na sexta-feira, um júri decidiu que Rittenhouse, de 18 anos, não era culpado de homicídio e outras acusações resultantes do ataque a tiros ocorrido em agosto de 2020 na cidade de Kenosha.

A sentença gerou protestos em cidades de todo o país na noite de sexta-feira, 19, de Nova York a Portland, no Oregon, assim como aplausos dispersos do lado de fora do tribunal. Defensores dos direitos às armas elogiaram a decisão.

Este caso atraiu atenção mundial, em parte porque surgiu das manifestações do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) contra o racismo e a violência policial, que eclodiram em todo os EUA no ano passado e que foram marcadas por uma controversa mistura de armas, tensões raciais e milícias civis.

Em 23 de agosto de 2020, Kenosha, na região dos Grandes Lagos, foi palco de revoltas depois que policiais feriram gravemente o jovem negro Jacob Blake, em quem atiraram pelas costas durante uma tentativa de detenção.

Rittenhouse, que tinha 17 anos na época, se somou a grupos armados que diziam atuar para "proteger" o comércio. Ele matou dois homens brancos e feriu um terceiro com um fuzil semiautomático. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.