Abstenção pode ser recorde no 1º turno na França

A uma semana do primeiro turno das eleições presidenciais francesas, no próximo domingo, os dois principais candidatos, o primeiro-ministro socialista Lionel Jospin e o presidente gaullista Jacques Chirac, cotados para passar para o segundo turno, não conseguem reunir juntos 40% das intenções de voto, segundo as pesquisas de opinião.Isto quer dizer que mais de 60% dos eleitores não vão votar em nenhum dos dois neste primeiro turno, embora um dos dois deva ser eleito presidente no segundo turno, em 5 de maio.No primeiro turno, espera-se uma abstenção recorde, o que demonstra o desinteresse dos franceses pela campanha. O voto não é obrigatório, e muita gente não está disposta a sacrificar um domingo de primavera para ir cumprir seu dever cívico, em pleno período de férias escolares.O resultado final do pleito continua indefinido, segundo os institutos de pesquisa - que ora indicam um, ora outro, como o preferido do eleitorado no segundo turno. Pela última pesquisa, Chirac tem 50,5% das intenções de voto para o dia 5, contra 49,5% de Jospin.Ao contrário do que se esperava, não ocorreu ainda uma polarização entre os dois candidatos, e a erosão do apoio a ambos tem beneficiado os chamados pequenos candidatos à direita ou à esquerda, um recorde de 16 candidaturas registradas.Jospin tem batido na tecla do voto útil já no primeiro turno. Segundo o Ifop, um dos mais reputados institutos de pesquisas do país, Chirac tem 19% das intenções de voto para o primeiro turno; Jospin tem 17%, mas ambos perdem terreno em relação às pesquisas anteriores.Em terceiro lugar encontra-se o candidato da extrema-direita, Jean-Marie le Pen, com 10%, à frente de Arlette Laguiller, da extrema-esquerda, e de Jean-Pierre Chevènement, do pólo republicano, ambos com 8%.Quem mais subiu nos últimos dias foi o jovem Olivier Besancenot de 27 anos, trotskista e representante da Liga Comunista Revolucionária, passando de 1% para 3,5%, recuperando votos junto à sua colega também trotskista, Arlette Laguiller. O candidato do Partido Comunista, Robert Hué, estacionou nos 5,5% . Ele é o maior prejudicado pela presença de três candidatos de extrema-esquerda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.