Abu Sayyaf reivindica atentado ao aeroporto das Filipinas

O grupo rebelde islâmico Abu Sayyaf se responsabilizou nesta quarta-feira pelo atentado a bomba, na terça, ao aeroporto internacional de Davao, no sul das Filipinas, que matou 21 pessoas e deixou outras 140 feridas.Durante uma entrevista por telefone a um canal de televisão local, Hamsiraji Sali, porta-voz do Abu Sayyaf, afirmou que objetivo do atentado era sabotar o local, mas não matar civis. ?A bomba foi colocada em um lugar incorreto?, comentou Sali. Logo após o atentado ao aeroporto, na cidade vizinha de Tagum, uma outra explosão aconteceu, matando uma pessoa. Um pouco antes da declaração do grupo islâmico, o ministro filipino do Interior, José Lina, tinha anunciado a prisão de cinco militantes da Frente Moro Islâmico de Libertação (FMIL), o principal grupo separatista islâmico das Filipinas. Um porta-voz do FMIL negou qualquer ligação com o atentado. Bomba ? Na manhã desta quarta-feira, uma outra bomba explodiu em uma loja de Cotabato, ao sul das Filipinas, mas sem provocar vítimas. O incidente causou um pequeno incêndio, que foi facilmente controlado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.