Abusos no Iraque mostram que não há perfeição, diz China

Os abusos cometidos contra prisioneiros iraquianos mantidos pelas forças norte-americanas e britânicas mostram que nenhum país pode se colocar como perfeito em relação aos direitos humanos, comentou o porta-voz do Ministério de Relações Externas da China, Liu Jianchao. Segundo ele, os abusos mostram que podem haver questões sobre direitos humanos em qualquer país ou região. Jianchao afirmou ainda que resolver essas questões é uma tarefa comum a todos. A China considerou "surpreendentes" os abusos dos direitos humanos e uma violação dos modelos internacionais. No entanto, Liu afirmou que era inapropriado relacionar a condenação dos abusos aos iraquianos feita por Pequim às críticas sobre desrespeito de direitos humanos pela China. O governo de Pequim é alvo constante de críticas de diversos países, incluindo os EUA, por desrespeitar os direitos humanos. Segundo Jianchao, essas questões devem ser resolvidas com base no diálogo e não com sanções comerciais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.