Acaba a greve ferroviáriana França

Após 9 dias, circulação de ônibus e metrô também começa a normalizar-se

Paris, O Estadao de S.Paulo

23 de novembro de 2007 | 00h00

Após nove dias de greve, os ferroviários franceses decidiram ontem voltar ao trabalho. De acordo com a Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT), maior sindicato do país, a decisão foi tomada para dar chance à negociação com o governo. "É só a forma de ação que está mudando, a determinação dos ferroviários continua a mesma", disse o sindicalista Daniel Tourlan. A greve tornou-se o maior desafio do presidente da França, Nicolas Sarkozy, desde que ele assumiu o cargo, em maio. Sarkozy, que venceu as eleições com a promessa de reformas, enfrenta uma forte oposição de sindicatos e funcionários públicos, que querem impedir que o sistema de aposentadorias especiais seja modificado.O momento mais crítico das manifestações foi na terça-feira, quando o movimento ganhou a adesão de trabalhadores dos correios, de professores e estudantes e de empresas distribuidoras de jornais e revistas. Com 700 mil pessoas protestando nas ruas e sem transporte coletivo, Paris parou.A principal reivindicação dos ferroviários é a manutenção das aposentadorias especiais, que garantem a 500 mil funcionários dois anos e meio a menos de trabalho que o restante da população. Sarkozy havia prometido que não cederia, mas a volta ao trabalho de ontem indica que houve algumas concessões.VOLTA AO NORMALEm Paris, o dia começou com a população superlotando novamente os poucos vagões e as estações de metrô. No entanto, à tarde, 70% dos ônibus e 75% do metrô já estavam funcionando. De acordo com o governo, cada um dos nove dias de greve custou à economia cerca de US$ 600 milhões.Contudo, se os ferroviários optaram pelo fim da greve, os estudantes decidiram continuar nas ruas. Os jovens protestaram ontem contra a reforma universitária proposta por Sarkozy. De acordo com as lideranças estudantis, 48 das 85 universidades francesas foram bloqueadas e várias escolas públicas de Paris não abriram as portas.REUTERS E AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.