Acampados protestam contra indicado republicano

Famílias despejadas e desempregados batizam de Romneyville conjunto de barracas montado perto de convenção

TAMPA, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2012 | 03h05

A menos de um quilômetro da ampla arena onde a convenção do Partido Republicano foi encerrada ontem, na Flórida, um grupo de cem pessoas formado por desempregados e famílias despejadas montou acampamentos como os da Grande Depressão dos anos 30.

Chamados naquela época de Hooverville, em referência ao então presidente, Herbert Hoover, a nova versão foi batizada de Romneyville, uma forma de protestar contra o candidato republicano à Casa Branca nas eleições de 6 de novembro, Mitt Romney.

Vivendo em barracas e alimentados graças às doações de igrejas e entidades locais, os moradores de Romneyville começaram a erguer o acampamento no final de maio, à espera da convenção republicana. Seu líder, o "reverendo" Bruce Wright, deixa claro que o movimento não é contrário apenas ao partido de Romney. Os democratas do presidente dos EUA, Barack Obama, tampouco são poupados por Wright e seus seguidores, que exigem atenção aos americanos mais pobres e a adoção de uma política de redistribuição de renda.

"Os dois partidos representam os interesses dos mais ricos e amam o dinheiro. A diferença entre ambos está no fato de os republicanos escancaradamente não se importarem com os pobres, enquanto os democratas fingem que se importam com eles", afirmou Wright. "Nesse sentido, os democratas são até piores."

Mesmo sendo contrários à reforma da Saúde promovida pelo governo de Obama, Wright e sua centena de companheiros não se deslocarão para Charlotte, na Carolina do Norte, para a convenção do Partido Democrata na semana que vem. A reforma, segundo ele, não está em linha com o direito universal de todo cidadão à assistência médica e hospitalar gratuita. O "reverendo" diz que votará em Jill Stein, candidata do Partido Verde sem chance de alcançar a Casa Branca em 2012.

Dylan Keyllan, jornalista desempregado de 25 anos do Estado de Vermont, juntou-se ao Romneyville no domingo para protestar contra a ausência de dimensão social na política republicana. "Minha mãe é professora e todo o seu salário vai para remédios e comida. Isso não pode continuar assim", afirmou.

O acampamento atraiu ontem a atenção do grupo Dobrar o Arco, patrocinado pela Parceria Judaica para a Justiça Social. Elle Axe e quatro colegas viajaram pela Califórnia e Texas e chegaram a Tampa ontem para protestar contra a redução de imposto de renda para os americanos com renda superior a US$ 250 mil ao ano. O benefício foi adotado pelo governo de George W. Bush, em 2006, e tem sido prorrogado anualmente desde então, apesar da oposição de Obama e de seus aliados. Trata-se de um dos temas mais caros aos republicanos, que o inseriram em sua plataforma para a eleição de 2012.

"Queremos que os mais ricos paguem o justo e haja maior respeito e atenção para as políticas de assistência social nos EUA", afirmou Ellen. Seu grupo está encaminhando uma petição aos 613 judeus com renda anual superior a US$ 500 mil para aceitar o aumento de seus impostos.

A proteção policial não permitiu a aproximação dos moradores de Romneyville e de outros manifestantes a menos de 1,6 quilômetro do Tampa Bay Time Forum, a arena da convenção republicana. O acampamento é observado 24 horas por 12 policiais, a cerca de 100 metros. Cerca de 3 mil policiais de Tampa e de cidades vizinhas monitoraram o centro da cidade, com ajuda do FBI e do serviço secreto. / D.C.M

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.