Ação contra pornografia detém 170 e resgata 14 meninas

Entre as menores libertadas, havia algumas com apenas três anos de idade; 60 foram presos nos EUA

Efe,

10 de fevereiro de 2009 | 00h50

Uma operação internacional ainda não concluída permitiu o desmantelamento de sete redes de pornografia infantil, a detenção de 170 pessoas e o resgate de 14 meninas em vários países, informou nesta segunda-feira, 9, o FBI (a polícia federal americana). O que começou em 2006 como uma advertência das autoridades australianas sobre um vídeo de sexo explícito com uma menina muito nova tornou-se uma das maiores operações do mundo contra a pornografia infantil, informou o FBI. Desde então, autoridades de diferentes países acabaram com sete grandes redes de pornografia infantil e resgataram 14 meninas vítimas de abusos sexuais, algumas com apenas 3 anos de idade. O FBI não disse por quais países a operação se ramificou, mas informou que, dos 170 detidos, mais de 60 são dos Estados Unidos. Em nota, a polícia federal americana ressaltou que esta operação foi "um modelo de como a cooperação pode ajudar a levar à Justiça os predadores infantis na internet". A operação começou há três anos, quando as autoridades receberam um vídeo da Austrália no qual aparecia uma vítima que, por seu sotaque, aparentava ser holandesa. O FBI entrou em contato com as autoridades belgas, que identificaram e detiveram o molestador. Pressionado, o homem deu informações sobre o produtor do primeiro vídeo, de nacionalidade italiana e que dirigia um site pornográfico. Quando a Polícia italiana deteve o produtor e fechou a página na internet, obteve 50 mil e-mails de todo o mundo. O FBI disse que, de todas as mensagens, 11 mil eram procedentes dos Estados Unidos, das quais cerca de 700 se tornaram pistas que levaram a algumas das detenções. Entre os detidos está um homem de Nova Jersey que se declarou culpado de produzir imagens pornográficas de sua filha de 9 anos. Condenado a 20 anos de prisão, ele tinha em casa cerca de 130 mil imagens de pornografia infantil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.