Ação de Rove prejudicou imagem de Bush

Considerado por muitos um mago da política, assessor demissionário deixa legado duvidoso

Michael Tomasky, The Guardian, Washington, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2015 | 00h00

Os conselhos de Karl Rove ajudaram George W. Bush a tornar-se um dos piores presidentes da história. Na campanha de 2000, Rove dizia que Bush era um novo William McKinley, cuja vitória na eleição de 1896 foi o prenúncio de uma era de domínio republicano que durou até o triunfo de Franklin Roosevelt, nos anos 30. Não é necessário dizer que o cérebro por trás dessa mudança de paradigma foi o próprio Rove, gênio que fundou uma nova era em que os EUA aderiram ao conservadorismo. Rove, que anunciou sua renúncia na segunda-feira, deixa dois outros legados: incompetência e má-fé. Em primeiro lugar, Rove e Bush não venceram a eleição presidencial de 2000. Al Gore ganhou por 500 mil votos. Contudo, Bush venceu na Suprema Corte. Os americanos tiveram de aceitar o veredicto e seguir em frente. Mas nada muda o fato de Bush ter vencido por cinco votos, dados pelos juízes.Bush seguiu sem sobressaltos até o furacão Katrina. O papel específico de Rove nesse desastre ainda é um mistério. Enquanto cidadãos morriam em New Orleans, o presidente estava no Arizona, brincando com uma platéia de pessoas da terceira idade.Em resumo, Rove freqüentemente deu ao seu presidente conselhos terríveis. E, apesar de o Iraque ser a principal razão do colapso de Bush e de ter sido um projeto de Dick Cheney e Donald Rumsfeld, Rove fez sua parte para assegurar que o presidente deixe Washington como um dos piores da história.No campo da má-fé, as evidências são inúmeras. Quando Rove concorreu à presidência do centro acadêmico conhecido como College Republicans, realizou seminários para ensinar técnicas aos funcionários que trabalhavam na campanha, tais como revirar latas de lixo dos oponentes e atacar o patriotismo das pessoas contrárias às iniciativas adotadas por Bush após o 11 de Setembro.O resultado final? O índice de aprovação do seu presidente está em 31% e ele passará para a história como um fracasso. Na opinião de muitos americanos, o país vai mal, como há um bom tempo não se via. O Oriente Médio é um barril de pólvora. O terrorismo está em ascensão. No entanto, há um lado positivo. Rove pode, de fato, ter colaborado para um realinhamento político, mas não aquele que ele tinha em mente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.