Ação levaria Ocidente à beira do desastre

Um ataque militar contra as instalações nucleares do Irã causaria danos profundos na prosperidade e na segurança globais. Teerã pode responder a uma ofensiva lançando suas forças no Golfo Pérsico e interrompendo temporariamente os canais que garantem o fornecimento de boa parte do petróleo e do gás que abastecem a demanda mundial.

WILLIAM MACLEAN , REUTERS / LONDRES, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2011 | 03h02

"Estamos falando na criação de um urso ferido, algo cujas consequências seriam muito imprevisíveis", diz Malcolm Chalmers, diretor de pesquisas do Instituto Real de Serviços Unificados. Bruce Riedel, ex-analista sênior da CIA, afirma: "A sabotagem e as sanções conseguiram prejudicar substancialmente o Irã. Uma ação militar agora minaria o consenso internacional em relação ao Irã, sem cumprir nenhum objetivo substancial".

Grande parte dos analistas concorda que o Ocidente está cansado demais de guerras e demasiadamente preocupado em salvar economias em apuros para pensar em novos conflitos.

As prováveis consequências de um ataque incluiriam:

A expulsão dos inspetores da AIEA por parte do Irã e a retirada do país do Tratado de Não Proliferação Nuclear, acabando com a possibilidade de uma solução negociada para a questão.

O fim do consenso internacional sobre a questão nuclear iraniana.

O fortalecimento da linha dura iraniana.

O fechamento temporário do Golfo, que levaria a uma potencialmente catastrófica alta no preço do petróleo.

A intensificação de sentimento antiamericano nos países muçulmanos.

A perda da boa vontade árabe com o Ocidente produzida pelo apoio ocidental à primavera árabe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.