Adam Dean/The New York Times
Adam Dean/The New York Times

Ação militar matou parentes de idealizador de ataques no Sri Lanka

Dois irmãos e o pai de Zahran Hashim já havido convocado uma 'guerra contra todos os infiéis' em um vídeo que circulo nas redes sociais

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2019 | 18h10

COLOMBO - O pai e dois irmãos do suspeito de ser o idealizador dos ataques a bomba no Domingo de Páscoa no Sri Lanka foram mortos quando forças de Segurança entraram em seu esconderijo em uma operação na noite de sexta-feira, disseram fontes da polícia e um parente dos suspeitos neste domingo, 28.

Zainee Hashim, Rilwan Hashim e seu pai, Mohamed Hashim, que foram vistos em um vídeo que circulou nas redes sociais convocando por uma guerra total contra os infiéis, estavam entre os 15 mortos em um violento tiroteio com militares na costa leste do país, segundo fontes da polícia. 

Os três são irmãos e pai, respectivamente, de Zahran Hashim, o suposto líder da onda de ataques no Domingo de Páscoa que matou 253 pessoas em igrejas e hotéis na ilha. Niyaz Sharif, cunhado de Zahran, confirmou à agência Reuters que o vídeo mostrava os irmãos e pai de Zahran. 

No vídeo sem data que circulou nas redes sociais, os três parentes de Zahran  discutem o martírio e pedem que seguidores matem todos os infiéis. 

Véu

O Sri Lanka está em alerta máximo desde os ataques, com quase 10 mil soldados destacados por toda a ilha para conduzir buscas e procurar por membros de dois grupos islamitas que seriam os responsáveis pela ação. Autoridades detiveram mais de 100 pessoas, incluindo estrangeiros da Síria e do Egito, desde os ataques. 

O presidente do Sri Lanka, Maithripala Sirisena, anunciou neste domingo a proibição de cobrir o rosto. Sirisena disse que recorreu a um decreto de poderes especiais para proibir qualquer forma de cobertura facial em público. A restrição entrará em vigor amanhã, segundo um comunicado do gabinete. / REUTERS e AFP 

Tudo o que sabemos sobre:
Sri Lanka [Ásia]terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.