Ação pede indenização para descendentes de escravos

Uma ação judicial federal pedindo indenização para 35 milhões de descendentes de escravos africanos nos Estados Unidos foi apresentada hoje à Justiça em Boston. A ação judicial acusa as seguradoras Aetna, o grupo de serviços financeiros FleetBoston e a operadora de ferrovias CSX. A ação judicial também alega que até cerca de 1 mil empresas não identificadas podem ter se aproveitado da escravidão e às vezes colaboraram para que ela continuasse nos Estados Unidos, entre 1619 e 1865. "A prática da escravidão foi uma supressão imoral e inumana da vida, da liberdade, dos direitos de cidadania e da herança cultural da África, e mais tarde retirou dos africanos os frutos do seu próprio trabalho", afirmou a ação judicial. Em declaração, a seguradora Aetna disse: "Não acreditamos que um tribunal autorizará uma ação judicial cujos acontecimentos - não importa quão execráveis sejam eles - ocorreram há centenas de anos. Esses assuntos não refletem de nenhuma forma a Aetna hoje."As empresas FleetBoston e CSX ainda não se manifestaram. Em entrevista coletiva para anunciar a ação, o advogado Roger S. Wareham disse que a ação judicial pede uma indenização por danos não especificados. Os recursos recebidos com a indenização seriam aplicados num fundo para promover saúde, educação, e casas para os descendentes de africanos nos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.