EFE
EFE

'Aceitaria viver no Brasil', diz Edward Snowden

Em entrevista ao ‘Fantástico’, ex-técnico da NSA afirma que gostaria de receber convite, mas nega ter oferecido informações em troca de acolhida

O Estado de S. Paulo,

22 de dezembro de 2013 | 22h25

O ex-espião americano Edward Snowden afirmou neste domingo, 22, que "aceitaria viver no Brasil" caso recebesse um convite, mas negou ter oferecido ao governo brasileiro informações sigilosas dos programas de espionagem dos Estados Unidos em troca de asilo.

Em entrevista ao Fantástico, da Rede Globo, o responsável pelas revelações do amplo esquema de vigilância criado pelo governo americano disse que qualquer convite do Brasil para recebê-lo precisaria ter razões estritamente humanitárias.

"Nunca vou trocar informações por asilo, e também não acredito que o governo brasileiro faria isso. Uma concessão de asilo deve ser sempre uma decisão puramente humanitária e a carta (escrita por Snowden na semana passada) foi bastante clara a esse respeito. Eu nunca vou cooperar com ninguém fora do devido sistema legal", afirmou.

"Se o governo brasileiro quiser defender os direitos humanos, será uma honra para mim fazer parte disso".

Snowden, que vive em Moscou sob permissão do governo russo, rejeitou qualquer possibilidade de retornar aos Estados Unidos. "Está claro que eu não teria um julgamento justo no meu país".

O governo americano exige que o ex-técnico que prestava serviços à NSA (Agência Nacional de Segurança) e conseguiu copiar milhares de documentos oficiais sigilosos volte e responda a processos por crimes contra a segurança nacional. "O maior problema é que a ofensa mais séria não é prejudicar o governo, mas envergonhá-lo".

Entre as revelações de Snowden estava a informação de que os serviços de Inteligência dos EUA vigiaram telefonemas e e-mails da presidente brasileira, Dilma Rousseff.

CARTA

Na última terça-feira, em "carta aberta ao povo brasileiro", Snowden agradeceu pela pressão internacional brasileira contra a NSA e se dispôs a ajudar nas investigações sobre o roubo de informações do governo.

A interpretação de que a mensagem, revelada pelo jornal Folha de S. Paulo e, depois, divulgada no Facebook, tivesse um pedido de asilo provocou intenso debate em Brasília.

Em entrevista ao Estado, o jornalista Glenn Greenwald, parceiro de Snowden nas reportagens que revelaram a espionagem americana, negou que o texto fosse um pedido de asilo ao Brasil. "Essa informação é totalmente errada", disse.

No dia seguinte, ao comentar o assunto, a presidente Dilma afirmou que não interpreta "cartas de ninguém". "Eu não acho que o governo brasileiro tenha de se manifestar sobre um indivíduo que não deixa claro e não se dirigiu a nós", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
Edward SnowdenNSADilma Rouseff, NSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.