Acelerador de partículas ficará desligado até fevereiro

Os operadores do maior acelerador de partículas do mundo disseram que desligarão o aparelho até fevereiro. A medida tem como objetivo a preparação de um programa pioneiro de pesquisas.

AE-AP, Agencia Estado

18 de dezembro de 2009 | 15h48

A Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN, pela sigla em francês) informou hoje que a interrupção dos trabalhos é necessária para elevar os níveis de energia usados na colisão de prótons.

As novas colisões devem quebrar partículas subatômicas em fragmentos ainda menores que podem revelar segredos da matéria e do universo.

Dentre os objetivos da pesquisa estão o estudo de fenômenos para os quais ainda não existe confirmação, como a matéria negra, a antimatéria e, também o que aconteceu nos primeiros segundos após a criação do universo.

Muitos cientistas acreditam que o universo foi criado após uma enorme explosão conhecida como Big Bang, 14 bilhões de anos atrás.

Tudo o que sabemos sobre:
ciênciaaceleradorpartículasCern

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.