Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

Achadas 2 toneladas de urânio perto de embaixadas, diz polícia boliviana

O material estaria em garagem de edifício no centro de La Paz e poderia ter chegado de Brasil ou Chile

Efe,

28 de agosto de 2012 | 22h00

LA PAZ - A Polícia boliviana diz ter confiscado nesta terça-feira, 28, duas toneladas de urânio armazenadas na garagem de um edifício no centro de La Paz, próximo das embaixadas dos Estados Unidos, da Espanha e de outras nações. Os agentes de uma tropa de elite detiveram quatro pessoas, todas bolivianas, quando estas transferiam sem medidas de segurança o urânio de um veículo para o outro, informou o vice-ministro de Regime Interior, Jorge Pérez.

Veja também:

link Irã amplia capacidade nuclear subterrânea, dizem fontes

Pérez disse que "na Bolívia não se produz urânio", por isso se presume que a carga "estaria em trânsito" para algum país da Europa, tendo como possíveis países de origem o Brasil ou o Chile. O vice-ministro afirmou que chama a atenção o fato de ter sido encontrada tal quantidade de urânio na garagem de um edifício em uma área tão central de La Paz, por conta dos perigos que a radiação pode causar.

As autoridades, os agentes e vários jornalistas permaneceram durante muito tempo em frente à garagem onde ocorria a operação policial, até que os especialistas recomendaram o afastamento de 50 metros por razões de segurança. O comandante do grupo que fez a operação, o coronel Eddy Torrez, confirmou que a intervenção foi o resultado de uma investigação que durou um mês e meio, porque havia a informação de que poderia ser feita nesta terça-feira uma transação de venda de urânio.

Um dos detidos é um engenheiro que, segundo Pérez, alegou que só era depositário do urânio que haviam deixado lá há algum tempo, mas não deu detalhes de quem era o proprietário da carga.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.