AFP PHOTO / MEHDI FEDOUACH
AFP PHOTO / MEHDI FEDOUACH

Acidente com ônibus deixa 42 mortos em estrada na França

Veículo se chocou com caminhão que trafegava no sentido contrário, e ambos sofreram incêndio; trata-se do mais grave acidente rodoviário desde 1982

Andrei Netto, CORRESPONDENTE/PARIS, O Estado de S. Paulo

23 Outubro 2015 | 08h04

PARIS - Pelo menos 42 pessoas morreram nesta sexta-feira, 23, em um acidente de trânsito na região de Libourne, a 230 quilômetros ao sudoeste de Paris, na França. A tragédia envolveu um ônibus de passageiros idosos, que integravam um clube de terceira idade, e um caminhão, que colidiram frente a frente e se incendiaram. Das 50 pessoas envolvidas, apenas oito sobreviveram; quatro estão em estado grave, com traumatismos cranianos e queimaduras graves.

Segundo informações do vice-prefeito da cidade de Puisseguin, Gérard Dupuy, o choque aconteceu por volta 7h30, quando o caminhão, fora de controle, teria atingido o ônibus. "Um caminhão atingiu o ônibus e pegou fogo. É uma curva perigosa na cidade", explicou em entrevista à rádio France Info. "Já houve acidentes neste local. O motorista do ônibus aparentemente não foi responsável."

Com a notícia do acidente, todas as células de crise foram ativadas pelo Ministério do Interior. Corpo de Bombeiros, atendimento médico de urgência (SAMU) e polícia de toda a região foram deslocados seguindo o Plano Orsec, que prevê a mobilização de serviços públicos essenciais em caso de desastres. Uma célula de apoio médico e psicológico às famílias das vítimas também foi enviada à região. "Todo mundo está mobilizado e começamos a acolher as famílias", disse Dupuy.

A tragédia é o mais grave acidente de trânsito na França desde 1982, quando 53 pessoas morreram, a maioria crianças, na cidade de Beaune, a 120 quilômetros ao sul de Paris. Em razão disso, a comoção foi nacional. Falando de Atenas, onde está em visita oficial, o presidente da França, François Hollande, disse estar "mergulhado em tristeza" e informou ter deslocado tanto o primeiro-ministro, Manuel Valls, quanto o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, ao local do acidente. "Eu peço a todos que compreendam que, apesar da acolhida e da amizade que nos é pródiga na Grécia, estamos mergulhados na tristeza em razão deste drama", disse Hollande, onde é recebido pelo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

O desastre de Libourne é o primeiro grande acidente envolvendo ônibus desde que o Ministério da Economia decidiu liberar o transporte de passageiros na França. Com uma das maiores redes de vias férreas do mundo, o país até este ano proibia a circulação de ônibus, mas atendendo às regulamentações da União Europeia foi obrigado a abrir suas portas às companhias rodoviárias, e não só aos ônibus de aluguel. Mais de 800 linhas foram postas em serviço em 75 cidades. Até 2016, o trânsito vai se intensificar, porque mais de 200 cidades contarão com os serviços.

Mais conteúdo sobre:
acidenteFrançatrânsito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.