Acidente de avião que matou 113 na Armênia foi causado por piloto

O acidente com um Airbus 320 da companhia armênia Armavia em 3 de maio, quando o aparelho caiu no Mar Negro e seus 113 ocupantes morreram, foi conseqüência de um erro de seus pilotos, informou nesta quarta o Departamento de Aviação Civil da Armênia.Esta conclusão foi feita pelo Comitê Interestatal de Aviação, que investigou o acidente ocorrido durante a manobra de aterrissagem do avião procedente de Yerevan com destino ao aeroporto russo de Adler, no litoral do Mar Negro.A investigação da catástrofe concluiu que quando o avião estava pronto para aterrissar e estava à altitude de 340 metros, o aparelho deixou de descer e, por ordem do chefe da tripulação, começou a efetuar uma curva acompanhada por uma ascensão.Durante a manobra, após uma leve ascensão do avião, o comandante do aparelho desligou o sistema de piloto automático e iniciou a aterrissagem, mas perdeu totalmente o controle sobre a orientação horizontal e vertical do aparelho, segundo os analistas do comitê.Enquanto o chefe da tripulação tomava atitudes inadequadas, a situação se agravou devido à "ausência total" de controle sobre os parâmetros imprescindíveis para a aterrissagem por parte do co-piloto, indicou o Departamento de Aviação Civil.A comissão do Comitê Interestatal de Aviação descartou a versão de uma falha técnica como uma das prováveis causas do acidente, já que as caixas-pretas do avião acidentado não registraram alterações no funcionamento de suas turbinas ou sistemas de navegação.O Airbus 320 armênio caiu no Mar Negro na madrugada de 3 de maio, a 5 quilômetros do litoral e em condições meteorológicas desfavoráveis. A queda matou 105 passageiros, entre eles 78 armênios, 26 russos e uma ucraniana, e os oito membros da tripulação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.