Acidente mata inspetor nuclear da ONU no Irã

Outro funcionário da AIEA ficou ferido; segundo a polícia, motorista perdeu o controle do veículo

TEERÃ, O Estado de S.Paulo

09 Maio 2012 | 03h03

Um inspetor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) morreu e outro ficou ferido em um acidente de carro próximo ao reator de Arak, a cerca de 250 quilômetros de Teerã. Segundo a agência estatal iraniana Irna, o carro perdeu o controle e saiu da pista. O órgão da ONU afirmou, em nota, estar em contato com as autoridades iranianas para descobrir as causas do acidente.

De acordo com a Irna, o inspetor morto, um sul-coreano identificado como Seo Ok-Seok, estava no banco traseiro sem cinto de segurança e foi arremessado para fora do carro, após o veículo sair da pista e bater. O outro funcionário da AIEA, um esloveno cuja identidade não foi divulgada, e o condutor do veículo tiveram ferimentos leves. O europeu será transferido para Teerã e, de lá, embarcará para a Áustria.

O acidente ocorreu perto do reator de Arak, onde as potências ocidentais acreditam existir um centro de processamento de plutônio. As autoridades iranianas negam as acusações e dizem que o complexo é usado apenas para produção de isótopos médicos. O Irã recebe visitas de rotina da AIEA em alguns de seus reatores em razão de o país ser signatário do Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP), mas restringe o acesso a locais nos quais suspeita-se que seja desenvolvido um programa militar.

Além das inspeções rotineiras, a AIEA enviou neste ano uma equipe mais graduada ao Irã em duas ocasiões para analisar a base militar de Parchin, também suspeita de violar o TNP.

"Estou profundamente entristecido pela morte do inspetor da AIEA em um acidente de carro durante o cumprimento de seu dever", afirmou por meio de nota o embaixador do Irã na AIEA, Ali Asghar Soltanieh. O Irã tem em média 26 mil mortes no trânsito por ano, em sua maior parte provocada por falta de sinalização. No fim do mês, o grupo P5 + 1 (Grã-Bretanha, EUA, França, Alemanha, Rússia e China) se reúne em Bagdá com negociadores iranianos para discutir o programa nuclear do país.

Lista. O governo americano afirmou ontem que a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, analisará se retira ou não da lista de grupos terroristas a organização iraniana dissidente Mujahadin-e Khalq (MEK), que há dois meses fechou seus campos de refugiados no Iraque e passou a cooperar com Washington.

O grupo entrou com uma ação em um tribunal americano para ter seu nome retirado da lista. Ontem, no entanto, Robert Loeb, advogado do Departamento de Justiça, afirmou que o governo "não está preparado" para suprimir o MEK da lista. Segundo ele, a Casa Branca aguarda o esvaziamento total do campo de Ashraf, no Iraque, para tomar uma decisão sobre o caso. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.