Fabrizio Bensch/Reuters
Fabrizio Bensch/Reuters

Acidentes em rodovia de Berlim são tratados como 'provável' atentado

Autoridades falam em motivação religiosa de iraquiano, que teria gritado 'Alá é Grande', mas ponderam que homem apresenta 'instabilidade psicológica' 

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2020 | 17h29

BERLIM - Um homem iraquiano provocou vários acidentes na terça-feira à noite com seu veículo em uma rodovia que atravessa Berlim e feriu seis pessoas - três delas estão em condição crítica -, em um ato que a justiça alemã tratou, nesta quarta-feira, 19, como um "provável atentado islamita".

As autoridades afirmaram que o autor era um homem de 30 anos que havia solicitado refúgio e teve o pedido negado. Ele sofre de problemas psíquicos e foi internado por determinação de um juiz.

A procuradora-geral da capital alemã, Margarete Koppers, destacou que o detido já havia sido internado em um centro psiquiátrico depois de outro incidente anterior em um abrigo para refugiados.

Pouco antes das 19h (horário local) de terça-feira, um homem a bordo de um veículo cometeu na rodovia A100 de Berlim "ataques dirigidos contra outras pessoas" que circulavam pela via, especialmente contra motociclistas.

'Motivação religiosa' 

"As declarações do suspeito depois dos atos sugerem uma motivação religiosa e islamita, mas também existem indícios sobre uma instabilidade psicológica do homem", afirmou o Ministério Público de Berlim.

Os investigadores não encontraram até o momento elementos que mostrem que o homem integrava alguma organização terrorista.

De acordo com vários meios de comunicação, o homem que provocou os acidentes gritou "Allahu akbar" (Alá é Grande) quando saiu de seu veículo, depois de provocar uma colisão que forçou a sua parada.

"Que ninguém se aproxime. Ou todos vão morrer", afirmou, de acordo com os relatos de testemunhas ao jornal Bild, ao ameaçar detonar um artefato explosivo. Ele foi detido imediatamente pela polícia.

Os agentes encontraram em seu carro uma "caixa antiga de munições". Mas o recipiente não continha nada perigoso, segundo uma análise das equipes especializadas da polícia.

Para verificar o conteúdo da caixa, a polícia precisou interromper por várias horas o tráfego na rodovia de grande movimento, o que provocou diversos engarrafamentos.

"O fato de o suspeito provavelmente sofrer de problemas psíquicos não simplifica as coisas", explicou o responsável adjunto de segurança da prefeitura de Berlim, Andreas Geisel.

Autoridades em alerta

As autoridades alemãs permanecem em alerta devido à ameaça islamita no país, sobretudo depois do atentado executado em 2016 em Berlim pelo Estado Islâmico (EI), quando um caminhão atropelou várias pessoas e deixou 12 mortos.

O ataque extremista foi o mais violento já cometido em território alemão. Desde então, as autoridades impediram mais de 10 tentativas de atentados, 2 deles em novembro de 2019. Desde 2013, o número de islamitas considerados perigosos na Alemanha aumentou em cinco e atualmente está em 680. 

A chanceler alemã, Angela Merkel, é acusada pela extrema direita de ter contribuído para os atentados por sua abertura das fronteiras a centenas de milhares de refugiados e migrantes desde 2015./AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.