Ações do argentino Clarín caem após intervenção na Cablevisión

As ações do Grupo Clarín, maior conglomerado midiático da Argentina, despencaram na terça-feira após a intervenção judicial na Cablevisión, subsidiária do grupo que é líder no mercado local de TV a cabo e Internet.

REUTERS

20 de dezembro de 2011 | 18h07

A sede da empresa foi ocupada por policiais cumprindo mandado judicial solicitado por uma concorrente que acusa a Cablevisión de concorrência desleal. O Clarín acusou o juiz responsável pela ordem, da província de Mendoza, de ter "se dobrado ao governismo".

O Clarín vive em guerra com o governo da presidente Cristina Kirchner, que acusa a empresa de cometer crimes na compra da companhia Papel Prensa, que produz papel para a imprensa.

Às 14h50 (hora de Brasília), as ações do Grupo Clarín operavam em queda de 10 por cento, cotadas a 9 pesos.

Hernán Labrone, analista da Fénix Compañía Financiera, disse que a ação judicial na Cablevisión "impacta o Grupo Clarín, um papel que com o tempo se tornou não-líquido por causa das pressões existentes entre a empresa e o governo".

O juiz decidiu pela intervenção com coadministração, o que significa que a atual diretoria não será destituída. Daniel Casino, diretor jurídico da empresa, disse que a decisão judicial "propõe que é preciso dividir a empresa Cablevisión". Ele acrescentou que a Cablevisión vai recorrer.

"Isso está no quadro de uma luta política. Esse grupo se dobrou ao governismo", disse Casino ao canal TN, de propriedade do Grupo Clarín.

A queixa contra a Cablevisión foi feita pela operadora Supercanal.

No ano passado, o governo proibiu a Cablevisión de vender serviços de Internet por causa de supostas irregularidades, mas um tribunal posteriormente suspendeu a medida.

O Grupo Clarín detém o diário de maior circulação na Argentina e o principal canal de notícias do país, mas os negócios de Internet e TV a cabo representam a maior parte do seu faturamento.

(Reportagem de Walter Bianchi e Guido Nejamkis)

Tudo o que sabemos sobre:
MIDIACLARININTERVENCAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.