Ações terroristas desafiam uma aposta de Putin

CENÁRIO: Will Englund / W. POST

O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2013 | 02h19

Vladimir Putin apostou seu prestígio nos Jogos de Inverno, esperando que eles demonstrem a segurança dos balneários da parte ocidental das montanhas do Cáucaso. A possibilidade de a atividade terrorista manchar a Olimpíada é uma das principais preocupações das autoridades - especialmente depois dos atentados a bomba contra a Maratona de Boston, em abril, cometidos por dois jovens tidos como simpatizantes do movimento separatista checheno.

As autoridades russas disseram ter provas de que os ataques de domingo e de ontem estão relacionados. Putin reuniu-se com o diretor do Departamento Federal de Segurança, orientando-o a aumentar a proteção. A própria cidade de Sochi, sede do evento, está sob pesada vigilância, mas isso parece ter limitado os recursos disponíveis para operações policiais em outras partes do país.

Sem forças policiais suficientes, voluntários passaram a se organizar ontem para patrulhar Volgogrado, na margem do Rio Volga, onde os exércitos soviético e nazista se enfrentaram numa épica batalha na 2.ª Guerra, quando era conhecida como Stalingrado. Tal história confere a Volgogrado um significado importante no imaginário, embora o país - que enfrenta uma prolongada batalha contra separatistas e extremistas islâmicos no leste do Cáucaso - já tenha se acostumado a atos aleatórios de terrorismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.