Acordo com Paquistão 'não tem valor', diz Taleban

Militantes do Taleban afirmaram hoje que o acordo de paz entre eles e o governo do Paquistão "não tem valor". A declaração ocorreu após autoridades enviarem helicópteros e artilharia para atacar esconderijos de guerrilheiros islamitas hoje. O colapso do pacto pode agradar a administração de Barack Obama, que pressiona Islamabad por ações mais duras contra os extremistas que ameaçam a estabilidade do Paquistão e das tropas dos Estados Unidos e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no vizinho Afeganistão.

AE-AP, Agencia Estado

27 de abril de 2009 | 11h37

O presidente Asif Ali Zardari pediu mais apoio internacional ao país, para evitar o perigo de que o arsenal nuclear do país caia em mãos da Al-Qaeda. Em outro sinal da preocupação vinda do Ocidente, o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, esteve no Paquistão para conversas sobre temas como a cooperação internacional contra o terrorismo, segundo a Embaixada britânica.

Zardari também disse que a inteligência paquistanesa pensou que Osama bin Laden - que recebeu recentemente um convite de abrigo pelos militantes na área em que vigora o acordo de paz - possa estar morto. Porém o presidente disse que não há provas disso. "Ele pode estar morto. Mas isso já foi dito antes", disse Zardari a jornalistas. "Isso ainda está entre a ficção e o fato."

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTalebanacordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.