Neil Hall/EFE
Neil Hall/EFE

Acordo comercial do Brexit pode ser alcançado, mas não a qualquer custo, diz ministro britânico

Há cinco semanas da saída oficial do Reino Unido do bloco europeu, formato de acordo está definido, mas falta a aprovação das duas partes

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2020 | 08h30

LONDRES - O Reino Unido e a União Europeia podem fechar um acordo comercial para o Brexit e um formato já foi definido, mas Londres não assinará um acordo a qualquer custo, disse o ministro das Finanças do país, Rishi Sunak, nesta quinta-feira, 26.

Com apenas cinco semanas restantes até o Reino Unido deixar oficialmente a UE, ambos os lados estão tentando chegar a um acordo comercial para evitar um final tumultuado para o Brexit, processo iniciado há cinco anos.

"Com uma atitude construtiva e boa vontade de todos os lados, podemos chegar lá", disse Sunak. E completou: "Está claro o formato do negócio."

O ministro também disse à rádio LBC que embora fosse preferível fechar um acordo, "nós absolutamente não deveríamos nos estender por um acordo a qualquer custo, essa não é a coisa certa a fazer".

A chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse na quarta-feira, 25, que a UE estava pronta para a possibilidade do Reino Unido deixar o bloco sem um novo acordo comercial, apesar do "progresso genuíno" nas negociações.

Um funcionário envolvido nas negociações disse que um acordo era possível, mas provavelmente não antes do fim de semana. Um diplomata da UE disse que é mais provável que venha na próxima semana.

A Comissão Europeia - por meio do negociador Michel Barnier, que conduz as conversas com o Reino Unido - deve informar os enviados nacionais a Bruxelas sobre as últimas negociações comerciais na sexta-feira.

Fontes da UE disseram que o próprio Barnier pode viajar a Londres mais tarde para mais discussões com seu homólogo britânico, David Frost, se houver uma chance de um avanço. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.