EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA
EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA

Acordo de paz na Colômbia será assinado entre os dias 20 e 26 de setembro

Informação foi confirmada pelo ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas, que não deu detalhes do local onde será realizado o ato protocolar; guerrilheiros farão conferência entre os dias 13 e 19 de setembro para aprovar o acordo negociado em Havana

O Estado de S. Paulo

27 Agosto 2016 | 21h04

BOGOTÁ - A assinatura do acordo de paz da Colômbia será efetuada em um ato protocolar em uma data ainda por definir entre os dias 20 e 26 de setembro, informou neste sábado, 27, o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas.

O ministro se referiu à data em declarações que deu a jornalistas em Bogotá ao término de uma reunião de comandantes das forças armadas na qual participaram 118 generais e coronéis, assim como os chefes das distintas unidades nas regiões. "Assim que tivermos a data solene de assinatura esse será o 'dia D', que será entre 20 e 26 de setembro dependendo das agendas das personalidades que vão estar presentes nesse ato", declarou Villegas.

No dia seguinte da assinatura deve começar o prazo de 180 dias para o abandono de armas por parte das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que as entregarão a uma comissão internacional liderada pelas Nações Unidas.

As armas serão guardadas em contêineres e no "Dia D+180" se dará por concluído o processo, após o que as armas serão fundidas para fabricar três monumentos à paz, um na Colômbia, outro na sede da ONU em Nova York e um mais em Cuba, país que foi sede dos diálogos de paz concluídos na quarta-feira passada com um acordo definitivo.

Esses acordos foram rubricados pelos chefes negociadores do governo, Humberto de la Calle, e das Farc, Luciano Marín Arango, conhecido como "Ivan Márquez", mas a assinatura definitiva caberá ao presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e ao chefe máximo da guerrilha, Rodrigo Londoño Echeverry, conhecido como "Timochenko".

Villegas, que não informou qual será o local da assinatura da paz, disse que participarão desse ato solene "várias" personalidades de todo o mundo, e disse confiar que na próxima semana haja uma data definitiva.

No último dia 23 de junho Santos disse que a paz seria assinada na Colômbia, mas em recente entrevista à emissora "CNN" afirmou que poderia ser também em Cuba ou nas Nações Unidas.

Dado o caráter solene que o governo quer dar ao ato e pelas datas sugeridas pelo ministro, a assinatura poderia coincidir com a Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York, da qual a cada ano participam líderes de todo o mundo.

Conferência. Antes da assinatura, o acordo negociado em Havana terá que ser aprovado pelas Farc em sua décima conferência, que será realizada entre os dias 13 e 19 de setembro nas selvas do sul da Colômbia, segundo confirmou em Havana um porta-voz da guerrilha

Este conclave, que será "a última conferência de nossa organização com armas, referendará os acordos de paz e dará caminho para a transformação das Farc em um movimento político legal", declara um documento da organização insurgente publicado neste sábado.

A conferência ocorrerá na planície de Yari, em San Vicente del Caguán, ex-reduto da guerrilha no sul da Colômbia, e na presença de 200 delegados das Farc, entre eles os 29 membros de seu comitê central. De maneira excepcional, estará aberta a convidados internacionais e à imprensa.

"A importância histórica deste eventos possibilita que os povos da Colômbia e o mundo conheçam em primeira mão o desenvolvimento e as determinações de que será a última conferência de nossa organização armada", completa o documento.

O passo seguinte será o plebiscito de 2 de outubro no qual os colombianos dirão nas urnas se aprovam ou não o acordo alcançado com as Farc. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.