Acordo deve dar à Otan comando de ação militar na Líbia

Um acordo para que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) assuma o comando da operação militar na Líbia guiada por um comitê formado por chanceleres do Ocidente e de países árabes deve entrar em vigor nos próximos dias. Para participar da ação, a Otan precisa da aprovação de 28 de seus países-membros, entre eles a Turquia, que insiste em uma operação militar mais restrita e garantias de que não haverá uma ocupação na Líbia.

AE, Agência Estado

23 de março de 2011 | 07h55

Mas, após um movimentado dia de diplomacia, que incluiu telefonemas do presidente americano, Barack Obama, aos líderes francês, britânico e turco, um amplo acordo foi acertado para que a Otan obtivesse um importante envolvimento na operação.

O acordo resolverá dois problemas: dará aos Estados Unidos - que estão comandando a intervenção militar na Líbia para evitar que o regime de Muamar Kadafi massacre a população, mas estão com pressa de passar o controle para a frente - uma organização para entregar o comando. E ele também dará uma cobertura política à Otan, que, segundo alguns, não é bem vista pelo mundo muçulmano por causa de sua participação na guerra no Afeganistão.

"Quando essa transição ocorrer, não serão nossos aviões que manterão a zona de exclusão aérea. Não serão nossos navios que necessariamente controlarão o embargo de armas. Isso é exatamente o que as outras nações farão", disse Obama em uma entrevista à imprensa ontem, em El Salvador. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaataquesEUAOtancomando

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.