Acordo é feito para libertar seqüestrados no Equador

Os seqüestradores de um grupo de técnicos estrangeiros aceitaram o pagamento de um resgate para a libertação dos reféns no Equador, afirmou nesta quarta-feira o chefe do Comando Conjunto das Forças Armadas, vice-almirante Miguel Saona."Com relação ao fato de que hoje ou amanhã termina o prazo para a execução do segundo refém, tenho informações de que nesta terça-feira as partes chegaram a uma negociação", disse Saona, acrescentando que desconhece maiores detalhes porque não participou das negociações. Em 31 de janeiro passado, um dos seqüestrados, o técnico americano Ron Sander, apareceu morto em uma zona rural próxima à fronteira com a Colômbia e, segundo versões da imprensa, os seqüestradores advertiram que assassinariam outro refém se o resgate exigido não fosse pago até 15 de fevereiro.O seqüestro, em 12 de outubro passado, ocorreu em meio à selva mazônica. O grupo de 10 estrangeiros foi seqüestrado em um campo de exploração de petróleo operado pela empresa argentino-espanhola Repsol-Ypf, na província de Orellana,a 240 km a sudeste de Quito, a capital equatoriana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.