KARIM SAHIB / AFP
KARIM SAHIB / AFP

Acordo entre Israel e Emirados Árabes será assinado na Casa Branca com a presença de Trump

A assinatura ocorre no dia 15 em uma cerimônia com a presença de Netanyahu e o ministro de Relações Exteriores dos Emirados; retomada das relações entre os dois países foi mediada por Washington

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2020 | 16h31

WASHINGTON - Israel e Emirados Árabes Unidos vão assinar o acordo de normalização de suas relações, mediado pelos Estados Unidos, durante uma cerimônia na Casa Branca no dia 15 de setembro, na presença do presidente Donald Trump, disse uma autoridade americana nesta terça-feira, 8. 

Este será o primeiro acordo de Israel com um país do Golfo e o terceiro com um Estado árabe depois dos assinados com Egito e Jordânia. As duas delegações devem ser compostas pelo primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, e o ministro de Relações Exteriores dos Emirados Árabes, Mohammed bin Zayad, irmão do príncipe herdeiro. 

Segundo funcionários americanos, que falaram em condição de anonimato, a cerimônia vai ocorrer no jardim sul ou em algum ambiente interno da Casa Branca, dependendo da condição climática. 

Netanyahu afirmou nesta terça-feira que está "orgulhoso" de fazer parte de uma cerimônia histórica com os Emirados Árabes na Casa Branca. "Estou orgulhoso de embarcar semana que vem aos EUA a convite do presidente Trump para fazer parte da histórica cerimônia que será base da paz entre Israel e os Emirados".

Vitória para Trump 

O acordo entre Israel e os Emirados Árabes fio anunciado no dia 13 de agosto e foi considerado uma vitória crucial em política externa para o presidente Trump, que busca a reeleição. Além disso, reflete um panorama político no Oriente Médio, com o Irã adquirindo mais importância que o apoio tradicional dos Estados árabes aos palestinos, que consideraram o ato uma traição.

O estabelecimento de relações diplomáticas entre Israel e aliados dos EUA no Oriente Médio, incluindo as monarquias do Golfo, também é uma peça-chave da estratégia de Trump para conter o Irã na região. O presidente americano afirmou esperar que a Arábia Saudita e outros países sigam o exemplo dos Emirados Árabes. 

Desde o anúncio da retomada das relações, o primeiro voo comercial direto entre Israel e os Emirados Árabes foi realizado, também com a presença de uma delegação americana. Além disso, foram instaladas relações telefônicas diretas e compromissos de cooperação em diversas áreas foram feitos. / AFP, AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.