Acordo fracassa e eleições ficam ameaçadas no Irã

A última tentativa de resolução para a pior crise política dos últimos anos no Irã terminou sem acordo, depois de reformistas acusarem o ultraconservador Conselho dos Guardiães da Revolução de interferir em um compromisso mediado pelo líder supremo iraniano, levando parlamentares reformistas a anunciarem um boicote às eleições de 20 de fevereiro. "O compromisso fracassou", lamentou a jornalistas o líder reformista Mohammad Reza Khatami, proibido pelo Conselho dos Guardiães de buscar a reeleição no pleito do dia 20. Reza Khatami, irmão do presidente do Irã, Mohammad Khatami, informou que seu partido - a Frente Iraniana de Participação Islâmica - manterá o boicote às eleições. "A tendência anterior se manteve", comentou. "As eleições de 20 de fevereiro não serão legais nem livres. Meu partido não participará desse pleito." A Frente de Participação Islâmica é a maior agremiação reformista do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.