Frank Augstein/AP
Frank Augstein/AP

Acordo pós-Brexit segue bloqueado há menos de um mês do prazo limite

Reino Unido e União Europeia anunciaram esforços conjuntos para definir termos de saída e evitar rompimento brusco, porém três pontos de divergência travam negociação

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2020 | 08h00

BRUXELAS - As negociações entre União Europeia e Reino Unido por um acordo pós-Brexit permanecem bloqueadas nesta segunda-feira, 7, apesar do esforço anunciado pelas duas partes no fim de semana, afirmaram fontes diplomáticas europeias.

O principal negociador europeu, o francês Michel Barnier, comunicou aos embaixadores dos países membros da UE que não foram registrados avanços nos três temas que bloqueiam o acordo.

Tratam-se dos mesmos temas que impediram um acordo nos últimos dois meses: garantias de concorrência leal exigidas a Londres por Bruxelas, o acesso dos barcos europeus às ricas águas de pesca britânicas e a forma de resolver as futuras divergências. Os contatos devem prosseguir nas próximas horas, de acordo com Barnier.

Durante a noite de segunda-feira, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, devem conversar por telefone, o que pode selar o destino das negociações.

Na sexta-feira, as equipes de negociação anunciaram uma "pausa" das conversações em Londres diante da impossibilidade de resolver as divergências. Von der Leyen e Johnson já conversaram por telefone no sábado.

Durante o contato, Von der Leyen e Johnson concordaram com um encontro dos negociadores no domingo em Bruxelas para avaliar mecanismos de solução de diferenças.

O Reino Unido saiu formalmente da União Europeia no início do ano e as partes estabeleceram um período de transição até 31 de dezembro, quando Londres deixará de modo definitivo o mercado único e a união alfandegária.

O período de transição foi definido justamente para que Londres e Bruxelas negociem um acordo sobre como funcionaria a relação comercial a partir de 1 de janeiro de 2021, mas até agora os esforços para alcançar o entendimento não deram resultados.

Caso as partes não consigam um acordo, a partir de 1 de janeiro de 2021 as relações comerciais passariam a ser pautadas pelas normas da Organização Mundial do Comércio (OMC), um cenário que os dois lados desejavam evitar./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.