Acordo sobre programa nuclear iraniano deve ser adiado

As negociações entre as seis potencias mundiais e o Irã sobre o programa nuclear iraniano programadas para terminarem nesta segunda-feira devem ser retomadas no próximo mês, informou um diplomata. O secretário de estado americano, John Kerry e o ministro de Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, concordaram no domingo em discutir um prolongamento das negociações além da data determinada.

Estadão Conteúdo

24 Novembro 2014 | 10h25

"Dado o progresso feito neste fim de semana, as conversas provavelmente serão prolongadas, com especialistas e equipes de negociação em dezembro", afirmou o oficial. Não foi informado o local para retomar as reuniões. A última rodada de negociações aconteceu em Viena e em Omã.

Se o prazo for adiado, será a segunda vez que o Irã e as seis potências mundiais ultrapassam data determinadas para alcançar um acordo sobre o programa iraniano. Alguns diplomatas e observadores alertaram que um novo atraso pode minar a pressão sobre os países envolvidos para chegarem a um consenso.

Diversos parlamentares americanos afirmaram que poderiam reforçar as sanções sobre o Irã se o prazo de 24 de novembro não fosse respeitado. Autoridades dos EUA insistem que as negociações avançaram e que um acordo pode ser alcançado.

O ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi, por sua vez, afirmou que os negociadores ainda estava realizado "consultas" nesta segunda-feira sobre um acordo final a fim de atender tanto às exigências dos EUA para restringir o programa nuclear quanto do Irã, de afrouxamento das sanções, o que sugere que um acordo imediato não foi abandonado.

Wang chegou a Viena nesta segunda-feira pra se reunir com ministros de Relações Exteriores dos EUA, Rússia, Reino Unido, França e Alemanha, além do Irã, em um grande esforço diplomático para avançar nas negociações. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Irãacordo nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.