Martin Meissner/Reuters
Martin Meissner/Reuters

'Açougueiro da Bósnia' é condenado por genocídio 26 anos após massacre; entenda o caso

Ex-líder militar sérvio Ratko Mladic comandou ação que matou cerca de 8.000 homens e garotos na cidade de Srebrenica, durante a guerra civil da ex-Iugoslávia

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2021 | 15h01

HAIA, HOLANDA - Apelidado de “açougueiro da Bósnia” ou “carniceiro dos Bálcãs”, o ex-líder militar sérvio Ratko Mladic (pronuncia-se Mladitch) teve sua condenação à prisão perpétua por crimes de guerra ratificada nesta terça, 8, e considerado culpado de genocídio. O veredito é final e não cabe mais apelação.

Mladic, 79, havia recorrido ao tribunal das Nações Unidas para a ex-Iugoslávia em Haia de condenação pelo maior massacre em território europeu desde a 2ª Guerra: a morte de mais de 8.000 pessoas na cidade de Srebrenica, em julho de 1995.

O massacre ocorreu durante guerra civil da ex-Iugoslávia que, entre 1992 e 1995, deixou mais de 100 mil mortos e fez 2,2 milhões de refugiados.

Mladic foi condenado em 10 de 11 acusações —entre elas limpeza étnica, terrorismo, tomada de reféns e ataques ilegais contra civis, especialmente croatas e muçulmanos. Os cinco juízes também atenderam a pedido do procurador da ONU, Serge Brammertz, de incluir genocídio, acusação que sua defesa considerava infundada. De acordo com seus advogados, Mladic foi “arrastado” para o conflito.

O “açougueiro” comandava milícias sérvias que se opuseram à independência da Bósnia e lutaram para anexá-la à Sérvia. Ele liderou a conquista de Srebrenica, cidade então designada como zona de segurança pela ONU e protegida por soldados de paz holandeses —que usavam armamentos leves.

Sob o comando do general, durante dez dias foram separados e depois expulsos idosos, mulheres e crianças. Todos os homens e jovens em idade de lutar foram levados a florestas da região, executados e jogados em valas comuns —cerca de 1.200 vítimas não foram identificadas até hoje.

Agora com 79 anos, Mladic sempre afirmou que estava apenas cumprindo seus deveres militares e foi desafiadoramente sem remorso durante o curso do processo.

Apesar de obter uma condenação - com o juiz presidente do julgamento original, Alphons Orie, dizendo que os crimes de Mladic foram classificados "entre os mais hediondos conhecidos pela humanidade" - a promotoria também apelou do veredicto.

Mladic foi condenado por uma série de acusações, incluindo ataque e assassinato de civis durante o cerco de 43 meses na capital da Bósnia, Sarajevo. Ele também foi considerado culpado de genocídio por dirigir as notórias execuções em massa de 8.000 homens e meninos muçulmanos, depois que as forças de Mladic invadiram o enclave de Srebrenica protegido pelas Nações Unidas.

O mundo do açougueiro da Bósnia

Ao longo da guerra na Bósnia, que durou de 1992 a 1995, cerca de 100.000 pessoas foram mortas e 2,2 milhões deslocadas. Segundo algumas estimativas, mais de 50.000 mulheres foram estupradas.

O primeiro nome de Mladic, Ratko, é uma forma diminuta de Ratimir; em inglês, o nome pode ser traduzido como uma pergunta: Guerra ou paz? É um nome tipicamente dado a bebês do sexo masculino em tempos de guerra.

Mladic disse ao The New York Times em uma entrevista de 1994 que ele nasceu “no que era chamado de Velha Herzegovina” - agora parte do país independente da Bósnia e Herzegovina - em 1942, durante a 2ª Guerra Mundial. O conflito foi o tema definidor de sua vida; suas ações durante a guerra nos Bálcãs o levaram a ser chamado de "o açougueiro da Bósnia".

Durante a 2ª Guerra, os Bálcãs foram varridos por um turbilhão de violência, com o mosaico multirreligioso e multinacional de sérvios, que em sua maioria tinham suas raízes na fé cristã ortodoxa oriental; Bósnios, geralmente muçulmanos; e os croatas, que geralmente eram católicos romanos, muitas vezes se enfrentando. Cerca de 1,7 milhão de pessoas morreram na ex-Iugoslávia de 1941 a 1945.

Das cinzas da guerra, Josip Broz Tito, que se tornou o líder da Iugoslávia, promoveu um slogan para unir a região fragmentada: “bratstvo i jedinstvo” ou “fraternidade e unidade”.

Mas Tito morreu em 1980 e, em 1991, os laços que mantinham a Iugoslávia unida haviam se desgastado até o ponto de ruptura, com o colapso do país alimentando anos de sangrentas guerras regionais.

Mladic, que serviu no Exército Iugoslavo, foi nomeado comandante do Exército sérvio na Bósnia em maio de 1992. Após o massacre em Srebrenica em 1995 e sua acusação de crimes de guerra, Mladic a princípio viveu abertamente no quartel-general militar sérvio, mas depois se escondeu e continuou fugindo. Ele foi capturado em 2011 e enviado a Haia para ser julgado.

Por que o veredicto final é importante

A última decisão no caso Mladic ocorre em um momento de crescente fervor entre os grupos nacionalistas sérvios que estão empenhados em reescrever a história do conflito, negando acusações de crimes de guerra e banindo referências ao episódio nos livros escolares.

Criminosos de guerra condenados estão sendo saudados como heróis e recebendo posições de destaque. Pelo menos um foi nomeado para lecionar em uma academia militar de guerra sérvia.

Na metade da Bósnia dominada pelos sérvios, pinturas gigantes e pôsteres de Mladic em seu uniforme militar aparecem em áreas públicas, e ele foi nomeado chefe de uma associação de veteranos de guerra.

Uma residência estudantil leva o nome de Radovan Karadzic, o líder político sérvio-bósnio do tempo de guerra que está cumprindo prisão perpétua por seu papel durante os combates.

Serge Brammertz, o promotor-chefe do tribunal de Haia, disse em uma teleconferência com repórteres recentemente: "Hoje, a glorificação e a negação do genocídio são muito mais fortes do que cinco ou 10 anos atrás - e estou neste cargo há 13 anos."

Ele observou que os políticos de toda a região, na Bósnia, Croácia e Sérvia, ainda estavam tentando usar o ódio étnico em seu proveito. “As atitudes subjacentes ainda estão presentes em muitos políticos”, disse ele. “A diferença é que hoje eles não têm mais vergonha de contar suas mentiras publicamente.”

O que o tribunal conseguiu?

Quando o tribunal foi anunciado pela primeira vez em 1993 - mesmo com a luta ainda violenta em curso - os objetivos eram responsabilizar os perpetradores das piores atrocidades e estabelecer um registro histórico sólido dos eventos na esperança de que pudesse fornecer a base para a reconciliação.

Ao longo dos anos, mais de 160 pessoas foram indiciadas e cerca de 80 julgamentos conduzidos, com mais de 5.000 testemunhas oferecendo relatos comoventes sobre a barbárie que viveram.

Os defensores do tribunal dizem que é muito cedo para dizer que papel os registros do tribunal terão para ajudar a curar uma região ainda dividida.

Wolfgang Petritsch, um diplomata austríaco que serviu como Alto Representante das Nações Unidas na Bósnia e que ainda viaja extensivamente na região, disse: “Estou bastante pessimista. Todos os três países afirmam que foram vítimas da guerra e estão promovendo visões revisionistas, questionando os fatos e seus papéis”. Ele destacou a Sérvia por seu fracasso em confrontar seu passado.

“Os sérvios nunca aceitaram que eram os perpetradores de crimes”, disse ele. “Eles aceitam que as mortes aconteceram durante a guerra. Mas eles não querem ser chamados de nação genocida.”

Para muitos que sofreram com a campanha assassina para expulsar muçulmanos e croatas de suas casas e terras, apenas a verdade pode acabar com as tensões entre os grupos étnicos da região.

Entre eles está o Emir Suljagic. Ele testemunhou horrores em Srebrenica enquanto trabalhava como intérprete para as forças de paz das Nações Unidas. Seu pai e irmão foram mortos na carnificina. Hoje, Suljagic leciona na Universidade de Sarajevo.

“Ratko Mladic passou a parte mais importante de sua vida tirando a vida de outras pessoas, tirando as pessoas que amavam”, escreveu ele em uma análise recente.

Quando ele se for para sempre, o trabalho de sua vida ainda estará conosco. Isso continuará a envenenar o futuro até que seja considerado um crime”.

O que acontece agora?

Para Mladic, a decisão do recurso é final. Uma vez que o veredicto de culpado foi confirmado, ele será enviado do centro de detenção das Nações Unidas em Haia para um dos países europeus que concordaram em fazer prisioneiros no tribunal. 

Esse destino não foi divulgado, mas não se espera que seja a prisão na Ilha de Wight, uma ilha britânica no sul da Inglaterra, onde Karadzic está cumprindo pena de prisão perpétua.

Provavelmente mais importante para as pessoas que acompanharam o caso Mladic é como as ações do general serão julgadas pela história. Ele ficará nos livros como um arqui-vilão de um genocídio sangrento ou as tentativas de pintá-lo como um patriota e herói perdurarão?/ NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.