Gleison Miranda/Secom/AE
Gleison Miranda/Secom/AE

Acre quer transferir 1,2 mil refugiados para outras regiões

Meta do governo é liberar 40 imigrantes por dia para trabalhar em outros Estados do Brasil

ITAAN ARRUDA, ESPECIAL PARA O ESTADO , RIO BRANCO (AC), O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2012 | 03h01

RIO BRANCO - Parte dos 1.250 haitianos acolhidos pelo governo do Acre começou a sair da cidade de Brasileia, município na fronteira com a Bolívia. A meta é fazer com que 40 haitianos deixem o Estado por dia. A estimativa é que, em abril, todos tenham trocado o Acre por outras partes do País.

 

Veja também:

linkBrasil estuda dar visto de 2 anos a haitianos

linkSão Paulo vira 'terra prometida' de haitianos

linkONGs veem plano para imigrantes

com cautela

Há duas semanas, têm saído em média do Estado entre 20 a 40 haitianos, com um visto humanitário que garante a eles a chance de conseguir trabalho em outra região do Brasil.

Na terça-feira, uma triagem feita por um proprietário de frigorífico do interior de Rondônia selecionou 40 haitianos. Ontem, uma empresa de Minas Gerais já estudava a contratação de mais 40 homens. O governo do Acre comprou passagem de ônibus para 31 haitianos que irão para a casa de amigos e parentes em Porto Velho e devem trabalhar na construção de hidrelétricas na região.

"O Acre não tem recursos financeiros nem pessoas habilitadas para tratar de uma onda migratória", disse o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Nilson Mourão. Os custos com alimentação e hospedagem de imigrantes já alcançaram R$ 1,5 milhão. Além disso, o governo acreano tem dado assistência médica para cerca de 30 soropositivos identificados no grupo.

A pressão feita pelo governo do Acre junto ao governo federal para resolver o problema surtiu efeito. Na terça-feira, a presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, e o chanceler Antonio Patriota, na qual foi definido que a Embaixada do Brasil em Porto Príncipe emitirá, no máximo, cem vistos mensais para o Brasil.

Desde fevereiro do ano passado, quando começou o fluxo migratório, passaram pelo Acre 2,7 mil haitianos. "Todos serão legalizados", garantiu Mourão.

Fuga. Esdras Héctor tem 27 anos. Era estudante de Direito em Porto Príncipe e está há oito meses no Acre. Ficou uma temporada em Brasileia e foi uma das vítimas dos coiotes, os "piratas da imigração". Além de creole e francês, idiomas oficiais do Haiti, Hector comunica-se bem em inglês, espanhol e português.

Diferentemente dos amigos, não quer sair do Acre. Pretende continuar os estudos em uma universidade do Estado para "ser diplomata e trabalhar na ONU". Ele deixou três irmãos no Haiti. São as únicas referências familiares que tem e parece pouco à vontade quando fala no assunto. "Meu lugar, agora, é aqui", disse o haitiano, feliz com o tratamento que recebeu no País. "O povo do Acre é muito diferente de outras regiões."

O imigrante confirmou à reportagem os rumores de que dois haitianos teriam sido assassinados em uma área de floresta entre a Bolívia e o Peru, embora ninguém até agora tenha denunciado o crime.

Em fevereiro, os coiotes cobravam até US$ 3 mil por pessoa para garantir a entrada de clandestinos no Brasil. Há relatos de violência contra haitianos durante a passagem pelo Peru e pela Bolívia. Estupros, tortura e extorsão são lembranças comuns de quem se aventurou a sair de Porto Príncipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.