Acusação sobre assassinato de Hariri é apresentada ao tribunal

Juiz de Haia deve decidir se aceita ou não documento; Hezbollah pode ser indiciado por morte do premiê

Efe e Associated Press

17 de janeiro de 2011 | 16h14

HAIA - A procuradoria do Tribunal Especial para o Líbano (TEL) apresentou nesta segunda-feira, 17, a ata de acusação sobre o assassinato do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri, cometido em 2005, indicaram fontes do organismo.

 

"A Secretaria do Tribunal Especial para o Líbano confirma que a procuradoria apresentou a acusação e materiais de apoio referentes ao assassinato de Rafik Hariri", segundo um comunicado. Detalhes do documento, como nomes de suspeitos ou acusações contra eles não foram divulgados.

 

Herman van Hebel, do Tribunal, disse que o promotor Daniel Bellemare enviou o documento ao juiz Daniel Fransen, que agora deve decidir se aceita ou recusa a ata e se o caso necessita de mais evidências.

 

Há rumores de que membros do partido radical xiita Hezbollah serão indiciados por participar da morte de Hariri, conforme disse o próprio líder do grupo, Hassan Nasrallah. O Hezbollah nega envolvimento no atentado.

 

Por conta da relutância do governo libanês em se opor ao julgamento, o grupo xiita deixou o gabinete do premiê Saad Hariri - filho de Rafik - e causou o colapso da administração, mergulhando o país em uma crise política.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoHaiaHaririHezbollahJustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.