Acusações de canibalismo voltam a circular no Congo

Acusações de canibalismo voltaram a circular pelo conturbado nordeste do Congo, com testemunhas aterrorizadas descrevendo cenas de corpos mutilados e devorados durante mais de uma semana de confrontos que deixaram dezenas de mortos e milhares de refugiados. Líderes religiosos e moradores de Bunia, capital da província de Ituri, disseram que combatentes da tribo lendu mataram civis e guerreiros adversários para em seguida abrir as vítimas e comer corações, fígados e pulmões.Superstição e sede de vingança eram as principais forças por trás dos atos de canibalismo, comentou o padre Joseph Deneckere, um religioso belga que vive no Congo desde 1970. "Algumas vítimas tiveram os órgãos sexuais removidos. Os combatentes inimigos cortaram para usar em seus feitiços", afirmou Deneckere.A ONU investiga o assunto com seriedade e planeja aprofundar-se na questão do canibalismo, garantiu Amos Namanga Ngongi, chefe da missão da entidade no Congo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.