Acusações de nepotismo rendem vaias para Toledo

O presidente Alejandro Toledo foi recebido com vaias e assobios na cidade andina de Huancayo, apenas um dia depois de receber saudação idêntica de parte do público presente a um festival natalino no Estádio Nacional de Lima - onde também foi alvo de garrafas vazias e cascas de frutas.No final de um ato público presidido por Toledo em Huancayo, parte dos assistentes gritou em coro frases como "Democracia sim, Nepotismo não!", em alusão a informações anteriores da imprensa sobre a presença de um sobrinho e uma sobrinha do mandatário em destacados cargos de instituições estatais. As frases em coro também se referiam à presença de familiares da ministra de Promoção da Mulher, Doris Sánchez, como funcionários dessa pasta. O Canal 4 de televisão, que faz oposição ao governo, mostrou imagens de Toledo em Huancayo protegido por uma quantidade inusitada de guarda-costas, enquanto seguidores do presidente enfrentavam os manifestantes contrários.A rede de televisão disse que, nos confrontos, sua correspondente em Huancayo, Elizabeth Huamán, foi agredida por desconhecidos. Huamán disse que desconhecidos a agrediram e a derrubaram no chão, e que a arrastaram por cerca de dez metros, puxando-a pelos cabelos.A repórter indicou que, enquanto a arrastavam, outros agressores puxaram sua câmera de vídeo e que, do ataque, resultou uma fratura no pé esquerdo. O Canal 4 transmitiu imagens de Huamán quando era levada por vários colegas a um hospital de Huancayo, onde foi atendida. A emissora protestou contra a agressão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.