Eric Feferberg/AFP
Eric Feferberg/AFP

Acusações sobre Strauss-Kahn e Kadafi mancham campanha eleitoral francesa

Kadafi tera financiado Sarkozy em 2007; Strauss-Khan o acusa por escândalos difamatórios

Efe,

29 de abril de 2012 | 16h26

PARIS - As suspeitas de que Muammar Kadafi financiou a campanha de Nicolas Sarkozy em 2007 e o ressurgimento do ex-ministro socialista Dominique Strauss-Kahn mancharam a campanha presidencial francesa, que enfrenta neste domingo a reta final para o segundo turno do próximo domingo, 6.

Veja também:

link Sarkozy acusa socialistas de usar Kadafi para desviar do debate

link Documentos revelam que Kadafi teria financiado campanha de Sarkozy em 2007

link Sarkozy eleva retórica nacionalista antes do 2º turno

Os partidários de Sarkozy e do candidato socialista, François Hollande, lançaram acusações cruzadas sobre estes dois casos que desviaram a atenção da campanha enquanto eram realizados dois grandes comícios em Paris e Toulouse.

O site investigativo Mediapart.fr publicou neste fim de semana um documento no qual um alto responsável dos serviços secretos líbios do regime de Kadafi autorizava em 2006 o pagamento de 50 milhões de euros à campanha de Sarkozy do ano seguinte.

O presidente e candidato à reeleição considerou na emissora Canal+ que as acusações são uma "infâmia", enquanto seu primeiro-ministro, François Fillon, acusou o meio de comunicação de ser "um laboratório financiado pelos amigos ricos de François Hollande".

Enquanto os socialistas pediram explicações ao presidente e a abertura de uma investigação judicial, os conservadores destacaram o fato de a acusação ter sido divulgada justamente a uma semana das eleições e coincidindo com o ressurgimento de Strauss-Kahn no cenário político francês.

O ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), que há pouco menos de um ano era o favorito dos socialistas para levar a candidatura do partido à Presidência, acusou Sarkozy de ter promovido os escândalos que lhe obrigaram a abandonar a vida política.

Assim dizia em uma entrevista publicada pelo jornal britânico The Guardian, embora fontes próximas a Strauss-Kahn tenham dito que as declarações que são extratos de um livro do jornalista americano Edward Epstein e que não se tratam de frases textuais.

Acusado de assédio por uma camareira do hotel Sofitel de Nova York, Strauss-Kahn passou vários dias preso em maio de 2011 e atualmente sofre um processo na França por proxenetismo, por ter participado de festas com prostitutas.

Sarkozy não deixou passar a ocasião para atacar com ironia os socialistas, dizendo que gostariam de levar "uma referência moral" até a Presidência do país.

Hollande reiterou que o ex-ministro de Economia não está na vida política e não deve voltar a ela, mas sua presença parece irritar a campanha do candidato socialista.

O deputado Julien Dray convidou Strauss-Kahn para uma festa na noite de sábado para celebrar seu aniversário em um bar de Paris, a qual também foram convidados o diretor da campanha de Hollande, Pierre Moscovici, seu porta-voz, Manuel Valls, e a ex-candidata Ségolène Royal.

Estes convidados não foram alertados sobre a presença do ex-responsável pelo FMI, e quando souberam que ele se encontrava no local, resolveram sair.

"Para mim é uma pessoa indesejável na campanha", afirmou Ségolène, que acrescentou não querer encontrar com ele "em nome da dignidade das mulheres.

Enquanto os dois lados se enfrentavam, os candidatos aproveitaram o domingo antes do segundo turno para realizar grandes comícios. Hollande reuniu 17 mil seguidores em um ginásio poliesportivo de Paris, no seu último grande ato de campanha na capital.

O candidato socialista enviou uma mensagem de confiança, mas alertou contra a euforia e repetiu que a mudança que preconiza para seu país será também uma mudança para a Europa.

Sarkozy, por sua vez, viajou para Toulouse para um grande comício que foi retransmitido ao vivo a outras cinco cidades, com 60 mil presentes no total.

O presidente admitiu ser um defensor das fronteiras e disse que a Europa está debilitada. "A França espera que a Europa defenda os povos europeus, e se não fizer, a França fará unilateralmente", disse.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.