AFP PHOTO / EITAN ABRAMOVICH
AFP PHOTO / EITAN ABRAMOVICH

Acusada de corrupção, Cristina depõe em tribunal na Argentina

Ex-presidente diz que é alvo de perseguição política em investigação de favorecimento a empresário e pede que licitações de alvos sejam examinadas pela Justiça

O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2016 | 16h12

BUENOS AIRES - A ex-presidente argentina Cristina Kircher se apresentou nesta segunda-feira, 31, à Justiça do país para depor sobre acusações de corrupção. Cristina, a primeira de 17 acusados a falar sobre a concessões de obras públicas ao empresário Lázaro Báez, se disse vítima de perseguição política. Ela é acusada de favorecer Baez em licitações. 

Cristina chegou a sede do tribunal de Comodoro Py acompanhada de um forte esquema de segurança, com 300 policiais. A audiência perante os promotores Gerardo Pollicita e Juan Mahiques e do juiz Julián Ercolini ocorreu a portas fechadas. Na saída do tribunal, a ex-presidente fez uma declaração à imprensa na qual se disse inocente das acusações. 

"Para os promotores, houve uma associação ilícita. Isso é uma manobra do atual governo e uma perseguição política. Nunca decidi nada sobre obras públicas", disse. 

Além de Cristina, o ex-ministro de Planejamento Julio de Vido também está envolvido nas acusações. A ex-presidente apresentou um recurso para que o processo seja anulado.

"Queremos que se investigue a fundo, sem arbitrariedades nem politicagem se houve corrupção no nosso governo. Que se investigue também o atual governo", acrescentou./ AFP

Mais conteúdo sobre:
JustiçaJulio de Vido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.