Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Acusado de cegar mulher é condenado a ficar cego no Irã

Jornais iranianos publicaram hoje que um homem culpado por cegar uma mulher com ácido foi condenado a também ficar cego, de acordo com uma rígida lei islâmica. O réu, identificado apenas como Majid, de 27 anos, confessou ter cegado Ameneh Bahrami em 2004, para dissuadir outros homens de se casarem com a mulher que ele amava. A decisão judicial, tomada ontem, foi baseada no sistema legal islâmico das ''qisas''. O termo, que significa retaliação, é similar à lei de talião, resumida na máxima "olho por olho, dente por dente". Uma reportagem do jornal Kargozaran disse que Ameneh pediu que Majid seja cegado por ácido, para se evitar ataques similares contra mulheres. O réu ainda pode apelar da decisão.

AE/AP, Agencia Estado

27 de novembro de 2008 | 13h15

Tudo o que sabemos sobre:
Irãjulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.